O dia se espatifa: Novembro 2015

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

A vida em uma música

A ciência já deve explicar, mas a mim falta o conhecimento para compreender o que torna um momento indelével em nossa memória. Um cheiro. Um sabor. O gesto ou o olhar de alguém. Às vezes, como ocorreu ontem, algo que já estava impresso nas nossas lembranças afetivas ganha, subitamente, um significado muito maior.

Renato Borghetti, o músico, faz parte da minha vida há pelo menos 30 anos, quando meu pai chegou de viagem a Porto Alegre com uma fita cassete de um guri virtuose na gaita ponto. Eu tinha 11 anos, mas entendi imediatamente que ali estava algo muito especial. Borghettinho nunca mais saiu da trilha sonora da minha vida.

Nos últimos dois anos, porém, ele invadiu a minha casa, enquanto o pai da minha filha escrevia a biografia dele, muitas vezes ao som de suas músicas. A tal ponto que nossa pequena é capaz de reconhecer "o tio Boguéti" ao primeiro acorde de uma peça. E ele passou a ser de carne osso, assim como a família linda e colorida que construiu no caminho. Linda e colorida de verdade. E eu agradeço ter sido recebida no meio deles nesta carona que me deu o Márcio.

Nesse período, fiquei particularmente encantada pela interpretação dele de Barra do Ribeiro, uma música linda, linda, linda. Porque melancólica, alegre, tranquila, agitada, tensa. Em alguns momentos, ela parece ter terminado, numa nota triste, desesperançosa, para em seguida retomar o caminho possibilidades acima.  Não sou crítica de música, e posso estar escrevendo muita bobagem, mas essa execução de Barra do Ribeiro me faz sentir tudo isso. Me faz acreditar que dá sempre pra seguir em frente, que as coisas boas vêm e vão, assim como as ruins. Só não se pode desistir de tocar.

Obrigada, Renato, Pedrinho, Daniel e Vitor. O que vocês fizeram ontem naquele palco do São Pedro com esta música criou uma lembrança que vou levar para todo o sempre. Eu chorei muitas lágrimas. De tristeza, de saudade, de melancolia, de mágoa, mas também de alegria, de esperança nas possibilidades, de gratidão e de perdão. Todas essas coisas de que é feita a vida. Obrigada. A noite toda foi linda, mas vai ser aquela música que vai ficar marcada para sempre na minha memória. E esta lembrança vai estar comigo a cada novo passo da minha nova jornada.