O dia se espatifa: Dezembro 2005

sexta-feira, 30 de dezembro de 2005

Fui

Estamos encerrando as transmissões para o ano corrente. Volto em 2006.

Tudo de bom nesta virada.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2005

Surpresa boa

Não, ninguém tinha planejado nada. E no fim, um convite de última hora se transformou em uma das noites mais agradáveis do ano todo. Com a companhia de três fotógrafos da mais alta categoria, numa casa linda, com um churrasco delicioso.

Estava tão bom que nem me arrependi de não ter trabalhado como tinha planejado.

terça-feira, 27 de dezembro de 2005

Capitulei

Acabei fazendo uma lista de resoluções para 2006. Deixo aqui para vocês me cobrarem...

- Fazer yoga duas vezes por semana
- Conhecer Brasília e Salvador
- Emagrecer pelo menos 10 quilos
- Entregar todas as traduções no prazo (ou com no máximo duas semanas de atraso, vá lá)

E chega, porque pra quem não fazia resoluções de fim de ano, está mais do que de bom tamanho!

Momento Querido Diário

O que tem de gente falando mal de 2005 não é bolinho. Injustiça. E não digo isso porque 2005 foi um ano bom para mim (e foi, desenvolvo mais adiante), mas sim porque o ano não tem culpa, gente. Eu, por exemplo, tive um 2003 de merda (pardon my French). Foi um ano de mudanças pesadas (boas e ruins), perdas (financeiras e pessoais) e ainda por cima teve duas depressões (uma minha e outra do Márcio). O legítimo ano de merda. Nem por isso eu excomunguei o pobre coitado.

Olhando de fora, hoje eu vejo que foi justamente por causa de todas as mazelas supracitadas que me aconteceram coisas incríveis. Conheci pessoas fantásticas, descobri que não sei trabalhar sozinha, que preciso de gente e que adoro a minha vida – principalmente quando não me meto a atrapalhar a pobrezinha, tão resoluta, tão teimosa.

O ano termina com algumas frustrações (não ter ganhado na Mega-Sena, por exemplo) e com menos grana do que eu gostaria. Mas termina também com boas perspectivas profissionais e pessoais, com amigos recém saídos do forno. Decepção com o Lula e o PT? Desculpem, mas eu era uma das acuadas que já sabia. Empolgação com o crescimento econômico? Desculpem, mas ele não passou aqui perto de casa.

Foi um ano de bons livros, bons filmes, boas refeições, bons passeios, uma boa viagem, bons trabalhos, boas amizades, o amor de sempre... Claro, ficam algumas tristezas e pendências para serem resolvidas ao longo de 2006, mas que graça teria começar do zero?

segunda-feira, 26 de dezembro de 2005

domingo, 25 de dezembro de 2005

Natal feliz

Desde que meu pai morreu, e enquanto eu e a minha irmã não providenciamos crianças para a família, vinha achando as noites de Natal deveras melancólicas. Mas ontem, em casa, conseguimos fazer do Natal sem criança uma noite agradável e com a cara que o Natal deve ter. Foi um jantar de congregação, boa conversa e risada. Ah, claro, e alguns mimos, que ninguém é de ferro.

Não bastassem as roupas lindas que ganhei da minha sogra, da minha mãe e da minha irmã (e um batom fofo também), o amor da minha vida me surpreendeu com dois livros fantásticos: Carême: Cozinheiros dos Reis e Breve História de Quase Tudo, do Bill Bryson, que é uma espécie de Ricardo Freire americano.

Lerei e comentarei.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2005

Toca o sino pequenino...

Eu queria muito, muito mesmo poder levantar o telefone e ligar para cada um dos meus amigos e desejar de viva voz todas aquelas coisas bacanas que se deseja no final do ano. Queria mais ainda poder abraçar a todos pessoalmente. Um a um.

Como não posso, aproveito para dizer aqui a todos os que me querem bem que espero que o Papai Noel traga muita paz, saúde e realização pessoal em 2006. Para os que não me querem bem, desejo a mesma coisa. De repente o azedume passa e vocês descobrem que pessoa supimpa eu sou ;o)

Feliz Natal!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2005

domingo, 18 de dezembro de 2005

Nada se cria...

Copiando a idéia da Fernanda, criei uma comunidade dos leitores do blog no Orkut. Entra lá, vai.

Tem que regar todo dia

Sim, é como a flor
De água e ar luz e calor
O amor precisa para viver
De emoção, e de alegria
E tem que regar todo dia
Vi hoje com o Márcio o DVD da Cor do Som. Grande dica de presente para o Natal. Se tu já passou dos 35, deve lembrar do tempo em que o Mu e Dadi derretiam os corações femininos. Se nunca ouviu falar neles, não sabe o que está perdendo. Se acha uma porcaria... problema teu ;-)

sábado, 17 de dezembro de 2005

Começar de novo

Amanhã este humilde blog completa dois anos. Inicialmente, tinha pensado em mudar de hospedagem, mas nada do que eu vi me agradou o bastante para justificar a mudança. Também não tive tempo de trocar o layout – as últimas três semanas estão mais corridas do que nunca. Só que eu andava chateada com o fato de o Haloscan matar os comentários mais antigos. Por isso, resolvi passar para o sistema de comentários do próprio Blogger.

A vantagem? Daqui a dois anos, os comentários que forem feitos aqui ainda estarão aqui. A desvantagem? Como o sistema não permite a simultaneidade, tive que excluir os comentários antigos. Eles ainda estão guardadinhos no ciberespaço, só não aparecem aqui. Para não ficar muito desoladora a paisagem, vou transferir os comentários dos três últimos posts. Na mão. Um a um.

Por isso, vai daqui um pedido de desculpas aos meus 38 leitores. Agradecida pela compreensão.

Agora, voltamos à programação normal.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2005

Das convicções e das resoluções de fim de ano

Há muito tempo abandonei as resoluções de fim de ano e os começos de dieta às segundas-feiras. Tenho convicção de que resoluções com data marcada estão fadadas ao fracasso.

O que move as minhas resoluções, portanto, é o meu dia a dia. Assim que entregar a tradução atual, por exemplo, pretendo começar a fazer yoga. Agora, o que eu posso fazer se coincidentemente vou entregar a tradução no fim do ano?

Não falta mais nada

Agora dá para criar grupos no Gmail.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2005

Cansaço

A pessoa nota que está trabalhando demais quando lê "Itália" e entende "Itaú" e em seguida lê "querela" e entende "aquarela".

domingo, 11 de dezembro de 2005

Repertório

Hoje eu me dei conta de que, para o dia em que o meu talento for descoberto por uma gravadora, já tenho seis CDs planejados:
  1. Bossa Nova
  2. Standards de Jazz
  3. Beatles
  4. Soul Music
  5. Bregas
  6. Música de protesto latino-americana

terça-feira, 6 de dezembro de 2005

Rapidinho

Uma das grandes vantagens de ter cachorros é estar sempre acompanhada dentro de casa. Uma das grandes desvantagens de ter cachorros é ter que andaro o tempo todo cuidando para não pisar em um deles. Aos 11 anos caninos (o equivalente a 77 humanos, dizem), o Floc (o da esquerda) sobe e desce as escadas comigo e o Bubi todas as vezes. Eu sinto que ele se cansa, mas ao mesmo tempo age como se fosse uma tarefa dele acompanhar cada passo meu.

domingo, 4 de dezembro de 2005

Vinicius

O filme vale a pena. Ainda que falte muita coisa e sobrem algumas. Entre o que fica de melhor estão o charme absoluto do Chico e o último depoimento do Ferreira Gullar, dizendo que Vinicius ajudou muitos brasileiros a serem mais felizes e chamando os pessimistas de "chatolas".

É melhor ser alegre que ser triste
Alegria é a melhor coisa que existe
É assim como a luz no coração
*

Talvez eu fique sem dar sinal de vida por um tempo. Não se preocupem. É fase final de entrega de tradução. E todo e qualquer momento livre será usado para terminar o trabalho. Deixem comentários e mandem mensagens!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2005

Humpf

Quase acabo de ter um ataque de vergonha com a correção do Márcio:

– Tu escreveu taxar com xis, sua anta.

(Não se assustem com o tratamento, somos deveras implicantes com as falhas ortogramaticais de um e outro.)

Eis que, antes de corrigir, apelei pro meu amigo Aurélio.

Taxar é...
[Do lat. taxare.]
V. t. d.
1. Tributar (1): & &
2. Estabelecer ou fixar (taxas [ v. taxa (3) ] ): 2
3. P. us. Fixar ou regular o preço de; limitar, moderar.
V. t. d. e i.
4. Dar, fazer, conceder, regularmente.
V. t. d. e c.
5. Fixar (certa porção ou quantia): 2
Transobj.
6. Avaliar, julgar; qualificar: 2

[Pres. ind.: taxo, taxas, taxa, etc.; pres. subj.: taxe, etc.; part.: taxado, fem. taxada. Cf. tacho, tachas, tacha, tache, do v. tachar; tacho, s. m.; tacha, s. f., pl. tachas; tachada, s. f.; taxe (cs), s. f.; táxi, s. m.; taxi, s. m. e s. f.; e tachar.]

Tachar é...
[De tacha2 + -ar2.]
V. transobj.
1. Pôr tacha ou defeito em; acusar, censurar, notar: 2 & &

[Pres. ind.: tacho, tachas, tacha, etc.; pres. subj.: tache, etc. Cf. taxo, taxas, taxa, taxe, do v. taxar; taxa, s. f., pl. taxas; taxe (cs), s. f.; e táxi (cs), s. m. e s. f. & ]

Ok. Não estava bem preciso, mas também não estava errado.

Viu, Márcio?