O dia se espatifa: Dezembro 2004

sexta-feira, 31 de dezembro de 2004

Balanço positivo

  • Tradução de Melville, Vonnegut, romances policiais divertidos e ainda de dois livrões para a maior editora do país
  • Emprego novo com 15º salário
  • Fim da crise dos sete anos no casamento
  • Tempo para curtir a família
  • Tempo para brincar com os cães
  • Reencontro com velhos bons amigos
  • Novos bons amigos
  • Um pouco de grana no banco
  • Boas perspectivas para 2005
Feliz ano novo! :-)

Histeria

Absurdo dos absurdos a quantidade de asneira que tem escrita aqui e em todos os fóruns sobre a tragédia na Ásia.



Por outro lado, aqui tem um belo exemplo do uso inteligente da tecnologia em favor de quem precisa de ajuda. Estou acompanhando tudo por ali. E espero encontrar um jeito mais palpável de ajudar.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2004

My heart goes out to them

Esta expressão em inglês diz exatamente o que eu sinto quando vejo aquelas imagens do outro lado do mundo, daquela catástrofe que matou tantas pessoas e deixou tanta destruição. Meu coração, hoje, está inteiramente com eles. Espero que isso ajude ao menos um pouquinho.

terça-feira, 28 de dezembro de 2004

Tenha dó...

  • Por que é que quando a gente pergunta o desconto à vista os vendedores SEMPRE respondem: "Não tem, mas é o mesmo preço a prazo"? E se eu NÃO QUERO comprar a prazo???
  • Quando a gente reclama que só tem número pequeno os vendedores dizem que "os números maiores são os primeiros a sair". Então POR QUE É QUE compram tanta coisa PP, P e M???
  • Por que é que ainda existem vendedores que quando tu pede uma coisa que custe "até R$ 100" te mostram EM PRIMEIRO LUGAR as coisas que custam "a partir de R$ 130"???

segunda-feira, 27 de dezembro de 2004

Mônica

Que eu sou dentuça, todo mundo que me conhece sabe, está na cara, ou melhor, na boca. Mas hoje eu fui ao dentista para fazer uma placa para o maldito bruxismo que está acabando com os meus preciosos dentinhos e ele me disse que, para consertar esta assimetria dentária eu teria de arrancar (ui) dois pré-molares (ui, ui) e empurrar tudo para trás usando dois anos (ai) de aparelho fixo (ai, ai, ai).



Sinceramente? É muito mais barato do que eu imaginava, mas eu não sei se vale a pena. Claro que, se fosse fazer isso, buscaria, no mínimo, umas quatro segundas opiniões, mas, o que vocês acham? Vale a pena? Estou tão acostumada com esse meu sorriso "prafrentex" que tenho minhas dúvidas...



Aceito opiniões!

A história da minha vida

I say I want a revolution

Então por que é que minha consciência me diz pra ficar parada um pouco e esperar?

sexta-feira, 24 de dezembro de 2004

A very merry Xmas

Que o Papai Noel traga pra todos vocês o que eu desejo para mim. E olha que não é pouca coisa :-)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2004

Mais Xongas

Você certamente conhece algum. Ou, pior ainda, alguma. O Magro-de-Ruim é aquele que come o que quiser, na quantidade que bem entender, na hora que lhe der na telha, e nunca, jamais, em hipótese nenhuma, engorda. O Magro-de-Ruim é um mau exemplo ambulante. Não há indivíduo mais nocivo à sociedade. O fato de que Magros-de-Ruins possam andar soltos por aí se empanturrando de tudo o que vêem pela frente e, mesmo assim, continuem ostentando suas cinturinhas de pilão é algo que nos revolta o estômago - sobretudo quando está vazio. A simples presença de um Magro-de-Ruim do seu lado na festa de Réveillon acaba com qualquer plano de começar um regime no primeiro dia do ano.

Não tô dizendo que esse cara é TUDO? Quer ler mais? Clica aqui.

domingo, 19 de dezembro de 2004

A queda da ficha

Não sei se era só comigo, mas até ontem à noite eu tinha essa estranha idéia de que a minha cabeça continua hoje exatamente como era aos 15 anos (só com um pouquinho mais de conhecimento acumulado). Eis que, no banheiro do hotel onde fui ao aniversário de 15 anos da fofa da filha de um grande casal de amigos, presencio a seguinte conversa:



– Aaaaaiiiiiii! Será que ele vai falar comigo de novo?

– Ah! Acho que sim... Guria, eu não devia ter comido aquela torta!

– Por quê? Muito doce?

– Não! Encheu meu aparelho de coisinhas, e eu não consigo tirar! – Ela sorri para si mesma no espelho e fica esfregando a língua no aparelho.

– Bá! Eu tô morrendo de dor na boca.

– De tanto beijar?

– Não. O puto do dentista apertou muito meu aparelho ontem.



Olho pra Cássia do espelho e me dou conta de que ela está com 30 anos e que faz pelo menos 15 que não tem uma conversa dessas num banheiro. Com o tipo de preocupação que hoje eu resolvo sem sequer pensar. E percebo que elas devem estar me enxergando ali com os mesmos olhos com que eu via aquelas "tias" que iam aos aniversários das minhas amigas.



Anyway, antes das 2h eu fui embora, podre, e elas ainda estavam a mil.

sábado, 18 de dezembro de 2004

Falou e disse

Roubei do blog secreto de uma querida velha amiga que insiste em privar o mundo dos seus escritos mais do que pertinentes e sensíveis (ao contrário do que se vê por aqui :-)



Rules for Non-Pet Owners Who Visit and Like to Complain About My Pet:

Regras para Não-Donos de Animais que Me Visitam e Gostam de Reclamar Do Meu Bichinho:



1. He lives here. You don't.

1. Ele mora aqui. Você Não.



2. If you don't want his hair on your clothes, stay off the furniture.(That's why they call it "fur"niture.)

2. Se você não quer pêlos nas suas roupas, fique longe da mobília.



3. I like my pet a lot better than I like most people.

3. Eu gosto do meu bichinho muito mais do que da maioria das pessoas.



4. To you, it's an animal. To me, he is an adopted son who is short, hairy, walks on all fours and doesn't speak clearly.

4. Para você, é um animal. Para mim, é um filho adotivo baixinho e cabeludo que anda em quatro patas e não fala com muita clareza.
A tradução bem meia boca foi feita às pressas agora por esta que vos escreve. Tem um trocadilho ali em cima que eu fiquei com preguiça de resolver de graça.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2004

A terra prometida

Poder dormir

Poder morar

Poder sair

Poder chegar

Poder viver

Bem devagar

E depois de partir poder voltar

E dizer: este aqui é o

meu lugar

E poder assistir ao entardecer

E saber que vai ver o sol raiar

E ter amor e dar amor

E receber amor até não poder mais

E sem querer

nenhum poder

Poder viver feliz pra se morrer em paz

Audiência

Os acessos a este humilde blog caem a cada dia. Que deprê! Ainda bem que minha vida não depende disso. Mesmo assim, tentarei ajudar o Google a ajudar a aumentar os unique visitors e os pageviews!



Eu poderia falar sobre SEXO, ou sobre IMPOTÊNCIA SEXUAL, ou sobre CD NOVO DO U2, o bom (e batido) JOE FANTE, o só batido PAULO COELHO ou então, quem sabe, sobre DIÁRIO DE GRAVIDEZ ou MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS! Também poderia falar sobre o GEORGE W. BUSH e o que ele tem feito com a GUERRA NO IRAQUE ou mesmo retomar o 11 DE SETEMBRO. Que mais, que mais? Ah, pra qualificar a audiência, poderia também falar em MACHADO DE ASSIS ou EÇA DE QUEIROZ. Ou atirar nos neointelectualóides com GLAUBER ROCHA. Também podia apelar pros blockbusters: os novíssimos OS INCRÍVEIS ou o nem não novo assim INDIANA JONES. Isso se eu não apelar pra assuntos mais up to date como TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO, DÉFICIT DE ATENÇÃO ou DEPRESSÃO e seus remedinhos mais famosos e seus princípios ativos: PROZAC (fluoxetina), ZOLOFT (sertralina) e RITALINA.



Chegou por aqui atrás de algum dos assuntos acima e se sentiu enganado? Reclamações nos comments abaixo. E seja bem-vindo.



:-D

terça-feira, 14 de dezembro de 2004

Let it be

Quando eu estava morando em São Paulo, o que mais me fazia falta era a minha casa. A luz que o pôr-do-sol joga sobre as casas que eu vejo da janela do escritório. A copa das árvores tão perto do olhar. O silêncio à noite. O barulho dos grilos. A luminosidade da lua na sacada do meu quarto.



Por que, então, eu não lembro de aproveitar essas pequenas coisas de que eu gosto tanto todos os dias?



Eu fiz isso hoje. E tudo me pareceu tão mais simples...

sexta-feira, 10 de dezembro de 2004

Medo

Da minha ex-chefinha num testemunho no Orkut:

Reunião chata? Vá de Cássia

Almoço sem assunto? Vá de Cássia

Depressão? Vá de Cássia

Vontade louca de brigar? Vá de Cássia

Matéria sem sentido? Vá de Cássia

Dia sem pauta? Vá de Cássia!!!!

Repórter sem noção? Vá com Deus, porque isso nem a Cássia resolve.
Mas eu devo ser mesmo muito mala...

Copy + Paste

Dica superlegal do Pedro Doria que eu peguei lá do Dani. Enjoy!

terça-feira, 7 de dezembro de 2004

Faz um tempo eu quis...

... fazer uma canção pra você viver mais...
Aos 57 anos ainda se tem uma vida pela frente, né?

Hoje meu pai estaria fazendo 57 anos nesta vida.

Se não tivesse morrido há quase nove anos.



Saudade, pai.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2004

sábado, 4 de dezembro de 2004

Tenho de admitir...

... que fazer exercício dá um barato e tanto. Principalmente depois dos primeiros (e sofridos) 20 minutos.



Quem me conhece está cansado de saber que sou uma sedentária convicta. Pior do que isso: fico enfurecida quando alguém tenta me convencer dos benefícios do exercício físico, de como sua vida melhorou depois que começou a correr 24 quilômetros por dia depois de fazer 1.200 abdominais e 800 flexões de braço. Mais irritada ainda quando vêem tentar me "vender" os seus "pêrsonals", como se fossem os maiores do mundo.



Eis que estou ADORANDO caminhar na beira do Guaíba com o Márcio. (Sim, so far estamos cumprindo o que planejei aqui. Hoje fizemos 4,5 quilômetros em passo acelerado, depois, nadamos uns 10 minutos. Descobri que o que me irrita na verdade é a pregação.



Cheguei à seguinte conclusão: exercício é como religião e política. Se ninguém vier com pregação, talvez eu vá lá e compre as idéia por iniciativa própria.



Peace.

Da série coisas que me irritam

As novas avenidas de Porto Alegre estão cheias de placas dizendo "Obedeça a sinalização". Quem mora aqui já deve ter reparado, não?



Agora, me digam... PRA QUE estas placas? Por acaso alguém acha que não precisa obedecer a sinalização? Ou alguém que não obedece vai passar a obedecer só porque uma placa está mandando fazer isso?



Antes que perguntem, não, eu não estou de mau humor. Só lembrei de escrever sobre este assunto tão relevante agora.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2004

Indeed

Papo no elevador do trabalho entre um cara e uma guria hoje de manhã:



– E aí, vai ao jogo?

– Que nada, vou ficar em casa.

– Tu é gremista?

– Nem gremista nem colorado.

– Nem gremista nem colorado? Coisa sem graça.



Indeed.