O dia se espatifa: 2004

sexta-feira, 31 de dezembro de 2004

Balanço positivo

  • Tradução de Melville, Vonnegut, romances policiais divertidos e ainda de dois livrões para a maior editora do país
  • Emprego novo com 15º salário
  • Fim da crise dos sete anos no casamento
  • Tempo para curtir a família
  • Tempo para brincar com os cães
  • Reencontro com velhos bons amigos
  • Novos bons amigos
  • Um pouco de grana no banco
  • Boas perspectivas para 2005
Feliz ano novo! :-)

Histeria

Absurdo dos absurdos a quantidade de asneira que tem escrita aqui e em todos os fóruns sobre a tragédia na Ásia.



Por outro lado, aqui tem um belo exemplo do uso inteligente da tecnologia em favor de quem precisa de ajuda. Estou acompanhando tudo por ali. E espero encontrar um jeito mais palpável de ajudar.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2004

My heart goes out to them

Esta expressão em inglês diz exatamente o que eu sinto quando vejo aquelas imagens do outro lado do mundo, daquela catástrofe que matou tantas pessoas e deixou tanta destruição. Meu coração, hoje, está inteiramente com eles. Espero que isso ajude ao menos um pouquinho.

terça-feira, 28 de dezembro de 2004

Tenha dó...

  • Por que é que quando a gente pergunta o desconto à vista os vendedores SEMPRE respondem: "Não tem, mas é o mesmo preço a prazo"? E se eu NÃO QUERO comprar a prazo???
  • Quando a gente reclama que só tem número pequeno os vendedores dizem que "os números maiores são os primeiros a sair". Então POR QUE É QUE compram tanta coisa PP, P e M???
  • Por que é que ainda existem vendedores que quando tu pede uma coisa que custe "até R$ 100" te mostram EM PRIMEIRO LUGAR as coisas que custam "a partir de R$ 130"???

segunda-feira, 27 de dezembro de 2004

Mônica

Que eu sou dentuça, todo mundo que me conhece sabe, está na cara, ou melhor, na boca. Mas hoje eu fui ao dentista para fazer uma placa para o maldito bruxismo que está acabando com os meus preciosos dentinhos e ele me disse que, para consertar esta assimetria dentária eu teria de arrancar (ui) dois pré-molares (ui, ui) e empurrar tudo para trás usando dois anos (ai) de aparelho fixo (ai, ai, ai).



Sinceramente? É muito mais barato do que eu imaginava, mas eu não sei se vale a pena. Claro que, se fosse fazer isso, buscaria, no mínimo, umas quatro segundas opiniões, mas, o que vocês acham? Vale a pena? Estou tão acostumada com esse meu sorriso "prafrentex" que tenho minhas dúvidas...



Aceito opiniões!

A história da minha vida

I say I want a revolution

Então por que é que minha consciência me diz pra ficar parada um pouco e esperar?

sexta-feira, 24 de dezembro de 2004

A very merry Xmas

Que o Papai Noel traga pra todos vocês o que eu desejo para mim. E olha que não é pouca coisa :-)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2004

Mais Xongas

Você certamente conhece algum. Ou, pior ainda, alguma. O Magro-de-Ruim é aquele que come o que quiser, na quantidade que bem entender, na hora que lhe der na telha, e nunca, jamais, em hipótese nenhuma, engorda. O Magro-de-Ruim é um mau exemplo ambulante. Não há indivíduo mais nocivo à sociedade. O fato de que Magros-de-Ruins possam andar soltos por aí se empanturrando de tudo o que vêem pela frente e, mesmo assim, continuem ostentando suas cinturinhas de pilão é algo que nos revolta o estômago - sobretudo quando está vazio. A simples presença de um Magro-de-Ruim do seu lado na festa de Réveillon acaba com qualquer plano de começar um regime no primeiro dia do ano.

Não tô dizendo que esse cara é TUDO? Quer ler mais? Clica aqui.

domingo, 19 de dezembro de 2004

A queda da ficha

Não sei se era só comigo, mas até ontem à noite eu tinha essa estranha idéia de que a minha cabeça continua hoje exatamente como era aos 15 anos (só com um pouquinho mais de conhecimento acumulado). Eis que, no banheiro do hotel onde fui ao aniversário de 15 anos da fofa da filha de um grande casal de amigos, presencio a seguinte conversa:



– Aaaaaiiiiiii! Será que ele vai falar comigo de novo?

– Ah! Acho que sim... Guria, eu não devia ter comido aquela torta!

– Por quê? Muito doce?

– Não! Encheu meu aparelho de coisinhas, e eu não consigo tirar! – Ela sorri para si mesma no espelho e fica esfregando a língua no aparelho.

– Bá! Eu tô morrendo de dor na boca.

– De tanto beijar?

– Não. O puto do dentista apertou muito meu aparelho ontem.



Olho pra Cássia do espelho e me dou conta de que ela está com 30 anos e que faz pelo menos 15 que não tem uma conversa dessas num banheiro. Com o tipo de preocupação que hoje eu resolvo sem sequer pensar. E percebo que elas devem estar me enxergando ali com os mesmos olhos com que eu via aquelas "tias" que iam aos aniversários das minhas amigas.



Anyway, antes das 2h eu fui embora, podre, e elas ainda estavam a mil.

sábado, 18 de dezembro de 2004

Falou e disse

Roubei do blog secreto de uma querida velha amiga que insiste em privar o mundo dos seus escritos mais do que pertinentes e sensíveis (ao contrário do que se vê por aqui :-)



Rules for Non-Pet Owners Who Visit and Like to Complain About My Pet:

Regras para Não-Donos de Animais que Me Visitam e Gostam de Reclamar Do Meu Bichinho:



1. He lives here. You don't.

1. Ele mora aqui. Você Não.



2. If you don't want his hair on your clothes, stay off the furniture.(That's why they call it "fur"niture.)

2. Se você não quer pêlos nas suas roupas, fique longe da mobília.



3. I like my pet a lot better than I like most people.

3. Eu gosto do meu bichinho muito mais do que da maioria das pessoas.



4. To you, it's an animal. To me, he is an adopted son who is short, hairy, walks on all fours and doesn't speak clearly.

4. Para você, é um animal. Para mim, é um filho adotivo baixinho e cabeludo que anda em quatro patas e não fala com muita clareza.
A tradução bem meia boca foi feita às pressas agora por esta que vos escreve. Tem um trocadilho ali em cima que eu fiquei com preguiça de resolver de graça.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2004

A terra prometida

Poder dormir

Poder morar

Poder sair

Poder chegar

Poder viver

Bem devagar

E depois de partir poder voltar

E dizer: este aqui é o

meu lugar

E poder assistir ao entardecer

E saber que vai ver o sol raiar

E ter amor e dar amor

E receber amor até não poder mais

E sem querer

nenhum poder

Poder viver feliz pra se morrer em paz

Audiência

Os acessos a este humilde blog caem a cada dia. Que deprê! Ainda bem que minha vida não depende disso. Mesmo assim, tentarei ajudar o Google a ajudar a aumentar os unique visitors e os pageviews!



Eu poderia falar sobre SEXO, ou sobre IMPOTÊNCIA SEXUAL, ou sobre CD NOVO DO U2, o bom (e batido) JOE FANTE, o só batido PAULO COELHO ou então, quem sabe, sobre DIÁRIO DE GRAVIDEZ ou MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS! Também poderia falar sobre o GEORGE W. BUSH e o que ele tem feito com a GUERRA NO IRAQUE ou mesmo retomar o 11 DE SETEMBRO. Que mais, que mais? Ah, pra qualificar a audiência, poderia também falar em MACHADO DE ASSIS ou EÇA DE QUEIROZ. Ou atirar nos neointelectualóides com GLAUBER ROCHA. Também podia apelar pros blockbusters: os novíssimos OS INCRÍVEIS ou o nem não novo assim INDIANA JONES. Isso se eu não apelar pra assuntos mais up to date como TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO, DÉFICIT DE ATENÇÃO ou DEPRESSÃO e seus remedinhos mais famosos e seus princípios ativos: PROZAC (fluoxetina), ZOLOFT (sertralina) e RITALINA.



Chegou por aqui atrás de algum dos assuntos acima e se sentiu enganado? Reclamações nos comments abaixo. E seja bem-vindo.



:-D

terça-feira, 14 de dezembro de 2004

Let it be

Quando eu estava morando em São Paulo, o que mais me fazia falta era a minha casa. A luz que o pôr-do-sol joga sobre as casas que eu vejo da janela do escritório. A copa das árvores tão perto do olhar. O silêncio à noite. O barulho dos grilos. A luminosidade da lua na sacada do meu quarto.



Por que, então, eu não lembro de aproveitar essas pequenas coisas de que eu gosto tanto todos os dias?



Eu fiz isso hoje. E tudo me pareceu tão mais simples...

sexta-feira, 10 de dezembro de 2004

Medo

Da minha ex-chefinha num testemunho no Orkut:

Reunião chata? Vá de Cássia

Almoço sem assunto? Vá de Cássia

Depressão? Vá de Cássia

Vontade louca de brigar? Vá de Cássia

Matéria sem sentido? Vá de Cássia

Dia sem pauta? Vá de Cássia!!!!

Repórter sem noção? Vá com Deus, porque isso nem a Cássia resolve.
Mas eu devo ser mesmo muito mala...

Copy + Paste

Dica superlegal do Pedro Doria que eu peguei lá do Dani. Enjoy!

terça-feira, 7 de dezembro de 2004

Faz um tempo eu quis...

... fazer uma canção pra você viver mais...
Aos 57 anos ainda se tem uma vida pela frente, né?

Hoje meu pai estaria fazendo 57 anos nesta vida.

Se não tivesse morrido há quase nove anos.



Saudade, pai.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2004

sábado, 4 de dezembro de 2004

Tenho de admitir...

... que fazer exercício dá um barato e tanto. Principalmente depois dos primeiros (e sofridos) 20 minutos.



Quem me conhece está cansado de saber que sou uma sedentária convicta. Pior do que isso: fico enfurecida quando alguém tenta me convencer dos benefícios do exercício físico, de como sua vida melhorou depois que começou a correr 24 quilômetros por dia depois de fazer 1.200 abdominais e 800 flexões de braço. Mais irritada ainda quando vêem tentar me "vender" os seus "pêrsonals", como se fossem os maiores do mundo.



Eis que estou ADORANDO caminhar na beira do Guaíba com o Márcio. (Sim, so far estamos cumprindo o que planejei aqui. Hoje fizemos 4,5 quilômetros em passo acelerado, depois, nadamos uns 10 minutos. Descobri que o que me irrita na verdade é a pregação.



Cheguei à seguinte conclusão: exercício é como religião e política. Se ninguém vier com pregação, talvez eu vá lá e compre as idéia por iniciativa própria.



Peace.

Da série coisas que me irritam

As novas avenidas de Porto Alegre estão cheias de placas dizendo "Obedeça a sinalização". Quem mora aqui já deve ter reparado, não?



Agora, me digam... PRA QUE estas placas? Por acaso alguém acha que não precisa obedecer a sinalização? Ou alguém que não obedece vai passar a obedecer só porque uma placa está mandando fazer isso?



Antes que perguntem, não, eu não estou de mau humor. Só lembrei de escrever sobre este assunto tão relevante agora.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2004

Indeed

Papo no elevador do trabalho entre um cara e uma guria hoje de manhã:



– E aí, vai ao jogo?

– Que nada, vou ficar em casa.

– Tu é gremista?

– Nem gremista nem colorado.

– Nem gremista nem colorado? Coisa sem graça.



Indeed.

terça-feira, 30 de novembro de 2004

Uma alegria e um orgulho

A alegria: ter experimentado DEZ peças de roupa e TODAS terem ficado bem em mim. Sinal de que os oito quilos que perdi (e não pretendo encontrar) desde o começo do ano já estão fazendo diferença.



O orgulho: não ter comprado nenhuma delas!

segunda-feira, 29 de novembro de 2004

Ops, já ia esquecendo...

... ão, ão, ão...

Sou só eu...

...ou vocês também adoram assistir aos extras dos DVDs? Às vezes são até melhores do que os filmes.



Os bastidores do Starsky & Hutch que eu vi há pouco são muito legais. Fora os erros de gravação.



Ô invejinha branca da Adri em D.C. que tirou uma foto ao lado do fofo Owen Wilson – que tem o mano não menos fofo, Luke.

sábado, 27 de novembro de 2004

quinta-feira, 25 de novembro de 2004

Pérola

De um radialista que sou obrigada a ouvir todos os dias em mais um de seus perspicazes comentários a respeito das mazelas populares:



"Parece filme de Kafka."



Eis por que defendo que o pessoal da redação merece ganhar adicional de insalubridade...

terça-feira, 23 de novembro de 2004

So it goes

Mês passado me inscrevi na acadimia.



Este mês me desinscrevi.



Fui uma vez.



Comprei um tênis, uma calça e um short.



Caminharei em Ipanema.



Espero.

sábado, 20 de novembro de 2004

Ai, ai, ai...

Eu aqui escrevendo um monte de besteira todos os dias sem pensar que daqui a alguns anos eu posso dar uma busca no Google e encontrá-las todas ainda perdidas pelo ciberespaço. Botei meu nome lá hoje (ah tá, vai dizer que tu nunca fez isso!), e achei isto e isto do Terra, isto e isto do Correio e ainda isto sobre um trabalho meu – entroutros.



Meeeeeedo.

sexta-feira, 19 de novembro de 2004

Digam o que quiserem...

... mas o Tapas e Pontapés foi umas das melhores coisas que li este ano. O texto do Diogo Mainardi é bom, muito, muito bom. Eu costumava achar ele um boçal. Achava que se levava a sério o tempo todo. Depois de ler o livro todo de uma sentada, confirmei a impressão que vinha tendo ultimamente de que na verdade ele é um cínico. Uma figuraça que consegue ganhar a vida fazendo (evidentemente muito melhor) o que eu tento fazer no dia-a-dia: provocar pra não cair na vala comum. Pra pensar e fazer pensar.



Só alguém com uma inteligência acima da média é capaz de ver as coisas com clareza e interpretá-las de um jeito tão divertido, sarcástico e perspicaz como ele. Some-se a isso o fato de que o Márcio, quando o entrevistou, disse que ele é um poço de gentileza. Sub Paulo Francis? Sub Ivan Lessa? WHATEVER! O fato é que o Paulo Francis morreu, e eu sempre achei o Ivan Lessa meio sério demais.



Quer saber? Azar, gostei!

Treze anos depois




Os Edus, a Lou e o Dakir





O Edu dono destas fotos





O outro Edu

quarta-feira, 17 de novembro de 2004

Decisões adultas

  1. Fiz um plano de previdência.
  2. Baixei o Get Firefox!. Again. Desta vez tá bacana. É a versão final. Não sou uma mulher de testes, sorry...

terça-feira, 16 de novembro de 2004

Cadê todo mundo?

Lendo hoje o blog da Drica, com quem trabalhei no Terra, este post me deu uma certa ansiedade... Por que tá todo mundo dando o pira, se mandando, indo pra fora? Eu nunca tive muito essa vontade. Quando ela dava, passava em seguida. No fim, com a morte do meu pai, ficou só na vontade mesmo. Perdi a coragem e os meios de realizar isso. Quando os meios voltaram, já estava enraizada demais pra voar... O máximo que me permiti foi dar um pulo ali em Sampa e voltar em seguida. Sou um bicho do mato, eu sei. Mas me sinto tão longe quando leio um livro ou vejo um filme, que é como se viajasse o tempo todo sem sair do lugar. Queria entender melhor essa coragem de sair pelo mundo e decolar sem saber a data da volta. Se bem que é o que a gente faz todo dia quando levanta da cama, nénão?

Novidades na área

A Adri Max enjoou do Aqui em D.C. e fez um bando de órfãos esta semana. Em compensação, aqui no Sul, a Larissa Magrisso é a mais nova convertida ao mundo blogueiro. Bem-vinda, querida.

domingo, 14 de novembro de 2004

Eu já disse aqui...

... mas me deu vontade de reforçar...



  • Eu tenho PAVOR de quem se leva a sério o tempo todo
  • Eu tenho vontade de ESGANAR quem pega elevador pra subir ou descer um só andar sem ter qualquer problema físico
  • Eu tenho este blog pra escrever as BOBAGENS que me der na veneta, por isso não esperem achar algo de útil
Era isso. Bom feriado pra quem tem.



quinta-feira, 11 de novembro de 2004

Serviço poupado

Como é bom quando alguém escreve o que a gente está pensando muito melhor do que a gente conseguiria fazer. Como é bom também que ele receba para fazer isso. E melhor ainda que seja alguém tão fofo!



Com vocês, de novo, Ricardo Freire:



A culpa é nossa

Se você for como a imensa maioria das pessoas que eu conheço, você queria que George W. Bush perdesse. Infelizmente, a verdade é que os partidários de John Kerry, americanos ou não, deram muita munição para o americano médio votar em George W. Bush. Poucas vezes tantas pessoas tão bem-intencionadas terão feito tantos movimentos prejudiciais à própria causa.



De quem é a culpa da reeleição de Bush?



A culpa é dos franceses, que ficaram contra a invasão do Iraque desde o primeiro instante. O americano médio não está preparado para admitir a infalibilidade papal de seus presidentes no que concerne ao policiamento do planeta.



A culpa é dos ingleses, que não param de bater em Tony Blair pela comprovação da inexistência de armas químicas no Iraque. O americano médio não está preparado para admitir que o mundo estava certo, e seu país errado.



A culpa é dos povos periféricos, incluindo os brasileiros, que torceram por John Kerry como se estivesse em disputa a final de uma Copa do Mundo. O americano médio não está preparado para endossar a opinião do Terceiro Mundo quanto aos rumos da política de seu país.



A culpa é do Michael Moore, que ridicularizou George W. Bush de forma sensacional em Farenheit 11 de Setembro. O americano médio não está preparado para votar em nenhum candidato apoiado por radicais perigosos, inconseqüentes e visivelmente antipatrióticos.



(Um pedacinho da culpa é do júri do Festival de Cannes, que deixou a política falar mais alto que o cinema e deu o prêmio de melhor filme para Farenheit 11 de Setembro. O americano médio não está preparado para aceitar com naturalidade piadinhas da comunidade artística internacional.)



A culpa é de quem deixou vazar para a imprensa as cenas de sadismo militar americano naquela prisão do Iraque. O americano médio não está preparado para aceitar campanhas de desmoralização de seu Éxército.



A culpa é sobretudo dos gays e das lésbicas - e de seu paladino, o prefeito de San Francisco -, que resolveram botar na rua o bloco do casamento homossexual justamente no ano das eleições. O americano médio não está preparado para colocar na Presidência ninguém que não tenha posições fundamentalistas em matéria de família e reprodução humana.



Finalmente, a culpa também é de John Kerry - que, a exemplo de Al Gore na eleição anterior, teimou em se revelar mais inteligente, mais perspicaz e mais preparado que Bush. O americano médio não está preparado para escolher um presidente que pareça mais qualificado que o americano médio.



Ou seja: do jeito que andam os Estados Unidos, se o Partido Democrata quiser eleger novamente um presidente de seu país, deve apresentar um candidato que seja abertamente beligerante, paranóico, imperialista, carola e homofóbico.



Depois, é só fazer que nem no Brasil. Tão logo assuma o poder, basta que o presidente e seu partido revejam todas as suas posições, uma a uma. Para o bem do povo e felicidade geral de todas as nações.

quarta-feira, 10 de novembro de 2004

Só pra registro

Eu e o Márcio tivemos uma aula de história hoje no almoço. Passamos três horas com o Flávio Tavares. Uma das pessoas mais incríveis que eu já tive a sorte de conhecer.

domingo, 7 de novembro de 2004

sexta-feira, 5 de novembro de 2004

Lil' Sis

Ela passou ANOS tentando entender por que sempre quis ser como eu. É a típica irmã mais nova, que jura que tem que andar atrás da mais velha tentando aprender sabe-se lá o quê. Quando ela nasceu, eu tinha três anos e sete meses neste mundo e era a mais velha das crianças que eu conhecia com a minha idade. Continuei sendo. Aos 30, finalmente alcancei a idade que eu sempre tinha de ter tido. Ela, aos 27, começa a se dar conta da incrível mulher em que se transformou.



A minha irmãzinha cresceu. Está crescendo. E eu começo a me achar uma abobada do lado dela. E começo a querer imitá-la em algumas coisas. E me pego sentindo uma inveja branca, quase transparente, de vê-la vivendo coisas que eu já vivi e de que sinto saudade. Mas ela está vivendo tudo de um jeito diferente. De um jeito que só ela sabe fazer. No estilo que ela criou para ela mesma.



E eu fico feliz com isso. Muito feliz.

quarta-feira, 3 de novembro de 2004

A história da minha vida...

... muito provavelmente porque eu não sou competente pra fazer a minha ironia ser compreendida.



A dura vida da bailarina



02.11.2004 | Uma vez jurei, acho que aqui mesmo, que iria seguir o conselho de Carlos Lacerda, segundo o qual não se deve usar ironia ao escrever na imprensa. Ele alegava que, para a interrogação, havia sinal (?), para a exclamação também (!). “Mas para a ironia não existe ponto”, ele acrescentava. Alguém poderia perguntar: “e os três pontinhos (...)?” Estes, na verdade, são de reticências, o que é outra coisa. Falando, a gente ainda encontra recursos na entonação, na ênfase em alguma palavra, num piscar de olho, enfim, qualquer coisa que queira sinalizar para o ouvinte: “Olha, eu quero dizer o oposto do que estou dizendo”. Ou então: “Isso é gozação, não leia ao pé da letra”. Mas escrevendo, não tem jeito.



Há várias histórias de interpretação equivocada, de mal-entendidos, de tiro saindo pela culatra. Me lembro de uma, hilária, com Luis Fernando Veríssimo. Um dia, vocês vão identificar a época, ele começou uma crônica no Globo assim: “Quem o Lula pensa que é, tomando Romanée-Conti? Gente! O que é isso? Onde é que estamos? Romanné-Conti não é pro teu bico não, ó retirante. Vê se te enxerga, ó pau-de-arara. O teu negócio é cachaça. O teu negócio é prato-feito, cerveja e olhe lá. A audácia do Lula!”



Claro que era uma ironia, alguma dúvida? Então vejam as cartas no dia seguinte: “... fiquei indignada com o tamanho do preconceito desse intelectual”. Outra: “Eu e minha família estamos indignados com a opinião do Verissimo”. Mais uma: “como pode um escritor do quilate, do berço, da inteligência e da elite do Verissimo escrever um texto racista e elitista?”. É claro que houve quem entendesse, mas o número e a virulência dos que não entenderam obrigaram o grande cronista a dar uma nota embaixo das cartas e a escrever outra coluna no dia seguinte.



Na nota, ele dizia: “quando o leitor não entende o que um jornalista escreveu, a culpa é sempre do jornalista. Peço desculpa a quem não entendeu a intenção da coluna”. No novo artigo, “Da ironia”, ele explicava: “Escrever com ironia é um pouco como escrever em código: a comunicação só funciona se na outra ponta houver um decodificador. Quem se mete a escrever irônica ou satiricamente precisa saber que nem todos têm o decodificador”.



Pois bem. Na última semana me meti a fazer ironia. Gozando a frase de Duda Mendonça – “ o Brasil inteiro sabe...” – escrevi: “o Brasil inteiro sabe que eu sou careca”. Como não tinha dúvida de que a afirmação era um absurdo, como tinha certeza de que o Brasil inteiro não me conhece (com a insignificante exceção de meia dúzia de pessoas que me viram em foto ou na televisão), achei que estava fazendo graça por contraste. Humor tipo nonsense.



Não vou dizer que ninguém entendeu; acho até que a maioria sacou. Mas de qualquer maneira, recebi e-mails de protesto, embora sem a virulência dos leitores do Veríssimo, felizmente. Ao contrário, foram muito delicados. Um perguntou: “Não é pretensão demais afirmar que o Brasil inteiro sabe que você é careca? Isso implicaria em reconhecer que o Brasil inteiro sabe quem você é e, mais ainda, todos conhecem a tua fisionomia. Infelizmente isso não é verdade, o que é uma pena” (simpático da parte dele lamentar que isso não seja verdade, né? Ou seria ironia?).



Resolvi contar tudo isso para que o Brasil inteiro saiba como é dura a vida da bailarina. (Atenção, isso é ironia, até porque o Brasil inteiro sabe que eu não sou bailarina. Apesar do nome.)



zuenir@nominimo.ibest.com.br

Mais quatro anos

Que merda!

domingo, 31 de outubro de 2004

Just for the record

Azar, gostei!

Clube de ódio

Em 1988 eu tinha 14 anos e uma turma de amigas malucas com quem criei o "clube do ódio". A gente odiava muita coisa. Até que um dia meu pai sentou para uma conversa e me perguntou se eu tinha noção do que a gente queria dizer com aquilo. Se eu tinha noção do peso daquela palavra.



Desde então eu tenho uma certa alergia ao termo. Até detesto algumas coisas, tenho pavor de outras, mas não consigo ODIAR quase nada. Fuçando agora no Orkut (que tinha abandonado, é verdade), achei uma pá de comunidades "Eu odeio quelque chose". Caramba! Será que essas pessoas se ligam do que estão dizendo?

quinta-feira, 28 de outubro de 2004

Na bôua!

Será que projetos como este qualificam um político para um cargo Executivo? Este senhor que quer multar quem dá nome de gente a bicho deve ter uma "produtividade" espantosa no Legislativo!

Eu sei, eu sei, eu sei...

...estou cheia de coisas pra fazer e não tinha nada que estar postando aqui! Mas eu não agüento mais abrir o blog e ver o Floc me olhando com essa carinha de "sai da frente do computador e vem brincar comigo".



Além do mais, eu acabo de mandar o meu sofá para estofar. Vai ficar lindo, mas eu não vou mais ter grana pra passar o feriado de 15 de setembro em São Paulo.



Escolhas...

segunda-feira, 25 de outubro de 2004

E pensar que eu já deixei ele fugir...



Este é o amor canino nº 1 da minha vida. Dia 1º ele faz 10 anos. O fato de que há oito anos e meio ele sobrevive a mim de um modo saudável me dá a tranqüilidade de pensar que talvez eu logo possa ser mãe de verdade :-)

Para constar

Semana de entrega de tradução. Estarei sumida.

sexta-feira, 22 de outubro de 2004

Almoço das quintas

Agora temos o nosso blog. O índice de piadas internas e absolutamente sem graça para o público externo deverá ser muito alto. Estou avisando. Portanto, não aceito reclamações.

quinta-feira, 21 de outubro de 2004

Não sou uma mulher de ídolos...

Mas dela eu sou fã incondicional e declarada.

Hoje tô simplista

Já que a política eleitoral é o mal necessário da democracia, estou anarquista. E sou pelo "quem não atrapalha já faz muito". O negócio é que a cidade, o Estado e o País sempre andarão independentemente ou apesar do(s) governo(s). Basta que eles não atrapalhem. Em Porto Alegre, nem o Fogaça nem o Raul são do tipo que atrapalham. Bacana isso...

quarta-feira, 20 de outubro de 2004

Máxima

"Quem nunca foi comunista não tem coração. Quem continua comunista não tem cérebro."

segunda-feira, 18 de outubro de 2004

Here we go again

Eu tô desde a semana passada. Tá com uma cara bacana... embora eu ainda não esteja me achando muito bem. Pelo menos ainda não foi proibido na redação como este aqui.

sexta-feira, 15 de outubro de 2004

Louco de sem vergonha

Tá lá no clicNotícias: Avaliação médica confirma demência de Pinochet. Só louco mesmo pra ter feito tudo o que fez... E não venham me dizer que é de hoje!

quinta-feira, 14 de outubro de 2004

I bid you peace

Preciso confessar que sinto uma inveja saudável de quem tem uma causa definida. Daquelas pessoas que acreditam tanto em algo que são capazes de falar horas sobre o assunto, como eu costumava fazer na minha adolescência.



Não sei se foi a morte do meu pai, se foi o meu amadurecimento meio que forçado aos 21 anos, se foi a convivência com uma família vítima de injustiça (que passou a ser também a minha família)... Só sei que a minha causa é a tolerância.



E a minha causa parece vaga demais. Exige muito bom senso e não combina com discursos ou pregações. Pelo contrário, a tolerância na verdade repudia a atitude do "isto é o certo, por isso me ouça e aprenda".



Quem me conhece, sabe que eu tenho mania de fazer observações absurdas sobre assuntos polêmicos só para provocar mesmo. É um humor meio torto, que eu aprendi com o pai de quem falei ali em cima e de quem vivo falando. Mas só quem me conhece mesmo sabe que esses absurdos que eu digo são o meu jeito de dizer: é tudo bobagem!



Acredito piamente que nenhuma crença é suficientemente consistente para não ser ridícula. Só que a tolerância é ampla demais, subjetiva demais para ser simplificada. Meu lema de vida é "sou radicalmente contra radicalismos", e é um lema difícil de defender.



Será que isso tem cura?

terça-feira, 12 de outubro de 2004

Também conhecido como chinelice...

Com todo respeito aos colegas do Globo Online, mas podiam ter passado a bandeira que foi usada pra fazer a imagem do especial de Eleições, nénão? Ou pelo menos apelar prum Photoshop básico antes de publicar...

segunda-feira, 11 de outubro de 2004

Vaziez

A minha avó materna morreu neste sábado, aos 94 anos de idade. Eu não tenho nada a escrever sobre isso.



Meu pai morreu em 23 de fevereiro de 1996, aos 48 anos de idade. Eu ainda vou escrever um livro sobre isso.



Estou com um vazio grande bem aqui, ó, e tudo o que consigo dizer a respeito está aí em cima.



Acho que isso não ajuda muito a minha mãe.

quinta-feira, 7 de outubro de 2004

Esta é nova...

Chego em casa depois da uma da matina e ligo o computador com a desculpa de que preciso trabalhar. Mentira! Eu quero mesmo é ler um pouco mais do livro que estou traduzindo antes de dormir.



Quer coisa melhor?

segunda-feira, 4 de outubro de 2004

Bendito preconceito

Não gosto de ler ficção científica. No cinema até me interessa, mas, na literatura... acho uma chatice.



Taí por que nunca tinha lido Vonnegut. Mesmo com o Márcio e o Paulo Moreira insistindo, dizendo – com razão – que o cara era o máximo e tal e coisa.



Eis que sou abençoada com a tarefa de traduzir um clássico absoluto do sujeito. E me sinto na obrigação de ler pelo menos um dos livros dele. Posso não gostar, mas preciso reconhecer a importância da figura, certo?



Ontem terminei o Timequake. Perfeito. Na medida certa. Tocante. Engraçado. Encantador. Genial. O texto é primoroso e divertido, a linguagem, inacreditável, o discurso, absolutamente coerente e moderno. Matadouro 5, que está em andamento, é a melhor coisa que já traduzi desde sempre.



O lado bom de ter sido preconceituosa por tanto tempo? Ainda tenho TODA a obra dele por ler.



Tlintlim!

quarta-feira, 29 de setembro de 2004

E quem é que quer ficar rico?

Eu reclamo, eu xingo, eu me irrito, eu me estresso, mas eu ADORO! Uma das melhores coisas do jornalismo é participar de grandes coberturas. E uma das melhores grandes coberturas que existe para mim é a de eleições. E a cobertura de eleições que eu acho mais emocionante e empolgante é a da Internet. Eu já trabalhei nas de 2000 e 2002, e agora trabalho na de 2004.



Pra quem está ao sul do Mampituba e/ou quer saber TUDO o que vai acontecer no Rio Grande do Sul no domingo, não tenham dúvida de que a MELHOR cobertura de todas vai estar aqui!

domingo, 26 de setembro de 2004

Dos mistérios da vida

Por que será que quando a gente dorme demais acaba com tanto sono como quando dorme de menos?

quinta-feira, 23 de setembro de 2004

Vivendo e aprendendo

Do Houaiss:



proapódose

Acepções

■ substantivo feminino

Rubrica: retórica.

figura que consiste em iniciar uma frase, período ou parágrafo com uma palavra que deveria ocorrer no fim do mesmo, como, p.ex., em Herói, nunca houve nesta terra nenhum.
E eu que achava que isso era "yodês"...

Almoço Mastercard

  • Ir do trabalho até o restaurante sem ter que procurar lugar para estacionar (R$ 5,25)
  • Comer um almoço saudável com salada, carne e arroz e conversar por mais de uma hora com seis amigos incríveis dos velhos tempos com muita risada (R$ 8,90)
  • Voltar para o trabalho sem ter de estacionar o carro longe da entrada do prédio (R$ 6,10)

Total de R$ 20,25... uma pechincha!

segunda-feira, 20 de setembro de 2004

Sing along

Não acordo muito cedo

Mas não fico preocupado

Muita gente me censura

E acha que estou errado

Meu caminho pro trabalho

É um pouco mais comprido

Eu vou sempre pela praia

Que é muito mais divertido

Soy latino americano

E nunca me engano

E nunca me engano

É legal voltar pra casa

Mas eu não volto correndo

Quem tem pressa de ir embora

No transporte vai morrendo

E eu que não me apresso nunca

Pro meu bar eu vou correndo

E encontro a minha turma toda

Sentada na mesa dizendo, assim!

Soy latino americano...

Quando eu abro a minha porta

Muita gente está jantando

Quando eu ponho a minha mesa

Muita gente está deitando

Eu me arrumo e vou pra rua

E na rua eu vou achando

Muita gente que trabalha

Se divertindo e cantando, assim!

Soy latino americano...

Zé Rodrix

sábado, 18 de setembro de 2004

Eba, eba, eba

Achar dois sapatos lindos e comprar o mais confortável deles é MUITO legal.



Ganhar o segundo sapato de presente da sogra é MELHOR ainda.

sexta-feira, 17 de setembro de 2004

Eu tenho orgulho de quê?

Não me desceu bem esta campanha que lançaram aqui no Rio Grande do Sul falando do "orgulho" de ser gaúcho. Acho estranho alguém ter orgulho de uma coisa sobre a qual não tem nem nunca teve qualquer ingerência. Acho que a gente pode ter orgulho do que FAZ ou do que PENSA ou do que ACREDITA, mas ter orgulho de SER uma coisa casual... É como dizer "tenho orgulho de ter olhos verdes" ou "tenho orgulho de ser mulher".



Eu tenho orgulho de ser jornalista (so shoot me!) e tradutora, mas GOSTO de ser mulher. Da mesma forma, eu GOSTO de ser de Porto Alegre, mas não vejo motivo pra me orgulhar de simplesmente ter nascido aqui. Se bem que, olhando o céu de hoje, eu até que senti uma ponta de orgulho. Mas não do acidental. Senti orgulho de, em 2003, ter escolhido voltar de Sampa pra cá, apesar de tudo, e de não ter tido medo de me sentir covarde por abrir mão de "vencer" na desvairada.

quarta-feira, 15 de setembro de 2004

Mais do mesmo

Presenciei mais uma modalidade de falta de educação no elevador:



1 - Quatro pessoas esperam no saguão

2 - Os dois (únicos) elevadores do prédio chegam juntos

3 - Três pessoas entram num único elevador

4 - Uma única pessoa (evidentemente mal educada) entra no outro, deixando os próximos passageiros esperando mais do que o necessário pela próxima viagem



Eu ainda vou escrever um livro de etiqueta para elevadores...

segunda-feira, 13 de setembro de 2004

Novo mantra profissional

Não vou me envolver mais do que o necessário...

Não vou me envolver mais do que o necessário...

Não vou me envolver mais do que o necessário...

Não vou me envolver mais do que o necessário...

quinta-feira, 9 de setembro de 2004

Fenômeno curioso

Quando o dia acaba, e eu estou sem nada para comentar ou contar porque trabalhei demais, como hoje, eu me dou conta do quanto é caro ganhar dinheiro.



Acho que é por isso que eu sempre acabo me estrebuchando no final dos prazos. Pra poder passar mais tempo vivendo de graça...



A quem interessar possa: agora só faltam 24 das 508 páginas! Logo, logo eu deixo de ser zumbi. Pelo menos até o próximo dead line ;-)

terça-feira, 7 de setembro de 2004

Alguém aí sabe explicar...

... por que feriado tem cara de feriado e não cara de domingo? Mesmo quando a gente trabalha?



Eu sei, eu sei, estou numa fase perguntinha. Faire quoi?

segunda-feira, 6 de setembro de 2004

Questionamento existencial óbvio

Afinal, o que é que a gente está fazendo por aqui?



Só pra começar a segunda-feira pensando em alguma coisa útil :-)

sábado, 4 de setembro de 2004

Momento "querido diário"

O sábado foi dos melhores até agora. Dia de sol com temperatura amena, passeio pela zona sul de Porto Alegre, almoço com o meu amor, café com media lunas, beijo na mãe e na mana, cães perfumados, soneca e trabalho.



P.S.: Post pra agradar o Marcito.

quinta-feira, 2 de setembro de 2004

Carl Hiaasen

Leia este cara, caro leitor. Carl Hiaasen é um autor americano (da Flórida!) que escreve (na Flórida!!) magistralmente (sobre a Flórida!!!). E é BOM PRA CARAMBA! Sério. Ele é BOM DEMAIS. Eu sou meio contra fazer resenhas para quem ainda não leu o livro, porque sempre acho que um resumo acaba com qualquer possibilidade de uma primeira impressão genuína. Além disso, os enredos do cara são tão malucos, que se corre o risco de desistir de lê-lo por causa do plot mal descrito por uma escriba de quinta como eu.



Portanto, tudo o que posso dizer agora é: CONFIEM EM MIM e corram atrás dos livros dele. São caros, ainda são poucos em português, mas valem MUITO a pena. Basta dizer que, apesar de estar atolada de trabalho e sem tempo pra nada, eu li A Ponte da Ilha do Sapo em poucas sentadas. Antes já tinha lido o Sorte Sua, que também é genial. Go for it!

terça-feira, 31 de agosto de 2004

Algo me diz...

... que eu deveria ser menos intolerante com imprecisões. Mesmo quando elas me prejudicam.

segunda-feira, 30 de agosto de 2004

Joguinho

And in the end I realized that I took more than I gave, that I was trusted more than I trusted and that I was loved more than I loved. And what I was looking for wasn't to be found, but to be made.



Ganha um pirulito quem souber de que filme (bobo) é isto :-)

Palavrório

E se os livros de auto-ajuda estiverem certos?

domingo, 29 de agosto de 2004

quinta-feira, 26 de agosto de 2004

terça-feira, 24 de agosto de 2004

Eu preciso confessar...

... que até acho Friends engraçado

... que até acho Sex & The City curioso

... que até acho E.R. hipocondriacamente interessante



... mas eu gosto mesmo é d'A Grande Família

Com licença, por favor...

... mas alguém pode me explicar por que a tal da Carrie estava vestida de palhaça no final do Sex and the City?

domingo, 22 de agosto de 2004

Eu quero, eu quero, eu quero!

Eu quero fazer aquele programa Esquadrão da Moda, da BBC que passa no People & Arts. Hello! Com 2.000 libras pra fazer um guarda-roupa novo, é IMPOSSÍVEL se vestir mal! Ou alguém acha que eu uso roupas que não me caem bem porque quero? ;-)

quinta-feira, 19 de agosto de 2004

O tempo passa...

... o tempo voa, e amanhã já é sexta-feira. Preciso de pelo menos duas semanas com nove dias. Será que rola?

quarta-feira, 18 de agosto de 2004

Mais um da série azar, gostei

Adorei esta nova barra do Blogger aí de cima. Além de ser esteticamente melhor do que a anterior, quando não se tem nada pra fazer (como agora, por exemplo, em que estou sem meu livro pra traduzir e estou esperando o fim do jogo do Inter que o Márcio veio ver na casa do pai dele) dá pra ir a blogs aos quais JAMAIS chegaria pelas vias normais. Como o de um americano que mandava para este outro aqui. É um "blog" do Bush. Li pouco até agora, mas o que li, achei hilário. Ironia da melhor qualidade. Recomeindo.

Quem precisa de babá?

Do Guilherme Fiuza, no no.minimo:



"Será muito mais difícil ocorrerem novos casos Ibsen Pinheiro (ele mesmo contrário à criação do tal Conselho Federal de Jornalismo) quando o Brasil descobrir que precisa de instituições fortes, e não de conselhos, mordaças e babás para tomar conta de instituições frágeis."



Disse tudo.

segunda-feira, 16 de agosto de 2004

Momento o-leitor-faz-o-blog

É isso mesmo! Considerando que estou entrando naquela fase de uma tradução em que preciso dedicar 120% do meu tempo fora do escritório ao cumprimento do prazo de entrega, a partir deste post até further notice é você, querido leitor, querida leitora, quem faz deste um blog mais interessante. Aproveite o espaço para os comentários aí embaixo e mande ver!



Aliás, também é uma boa oportunidade para você, leitor querido, que nunca se manifestou, apresentar-se para a nossa equipe editorial (i.e. euzinha) e dizer o que está achando deste fórum de mim mesma. Vamos lá! Participe! O comentário mais criativo ganha a eterna admiração desta que vos escreve à vossa revelia.

domingo, 15 de agosto de 2004

Boa pergunta

Da Eliane Cantanhêde, na Folha deste domingo:



De "denuncista" a denunciado



O depoimento do jornalista Luís Costa Pinto publicado pela revista "Isto É" desta semana é avassalador, não para um jornalista nem para um veículo de comunicação, mas para toda uma categoria.



Em resumo, ele admite que errou feio, ao publicar, lá se vão uns dez anos, uma capa da revista "Veja" informando que o então deputado Ibsen Pinheiro – ex-presidente da Câmara e citado como presidenciável- tinha depósitos de US$ 1 milhão. Eram de US$ 1 mil.



Tudo é grave, mas o mais grave é que o erro foi descoberto a tempo, antes de a revista ir para as bancas. Mas só foram feitos ajustes. Há diferentes versões: seria caro, o repórter "bancou" a informação, medo de uns e acomodação de outros.



Resultado: a "onda denuncista" ganhou corpo e impediu que todos ouvissem os argumentos do réu (ou vítima), lessem a auditoria da consultoria Trevisan a seu favor, tivessem clemência. E jogou fora a vida política e a paz pessoal de Ibsen Pinheiro. Ele foi cassado, emagreceu dez quilos e fechou-se em silêncio.



Um dado perturbador é que o pivô dessa história foi, nada mais, nada menos, Waldomiro Diniz -que já naquela época trabalhava e denunciava ao lado de José Dirceu e de Aloizio Mercadante nas CPIs de Collor, primeiro, e do Orçamento, depois. Na versão de Costa Pinto, quem lhe deu as cifras erradas foi Waldomiro, anos depois flagrado pedindo 1% em negociata com um bicheiro.



O "mea culpa" de Costa Pinto expõe a imprensa e o PT quando se discute o Conselho Federal de Jornalismo e corrobora minha posição desde o início: a favor da discussão sobre algum tipo de olhar externo sobre a atividade jornalística e contra um conselho em forma de autarquia proposta pelo presidente- ou seja, com a mão do Estado, do governo e de entidades alinhadas a partidos políticos. Ontem, o PT era o "denuncista". Hoje, é o denunciado clamando contra os "denuncistas".



Para Ibsen: pedido de desculpas serve para alguma coisa?




Na minha humilde opinião, é um bom começo. Só que até agora eu só vi o Luís Costa Pinto pedir desculpas. E todos os coleguinhas que embarcaram na história há dez anos?



Anyone? Anyone?

sexta-feira, 13 de agosto de 2004

Eloqüência

Leiam isto.

Cabeças de porongo

Quando eu troquei o jornalismo de papel pelo do ciberespaço em junho de 2000, o Marcelo Rech, diretor de redação da Zero Hora, de onde pedi demissão apesar de adorar o trabalho na editoria de política, perguntou se eu estava com medo de "perder o trem da história" se não aproveitasse aquela oportunidade. Na época, ele foi a pessoa que melhor compreendeu o que estava passando pela minha cabeça.



Desde que entrei na Internet, fiquei maluca com as possibilidades desta nova mídia que estava (e está) engatinhando. Prova disso é que a minha monografia – feita em 1995 – falava sobre as possibiliades da linguagem do jornalismo Online. A monografia ficou uma porcaria, admito, mas era um sinal de que eu precisava me arriscar.



Passados quatro anos, depois de ter passado 11 meses longe desta cachaça que virou o jornalismo online, a gente ainda tem que agüentar muita cara feia dos jornalistas "de verdade" que consideram a Web um "jornalismo menor". Mesmo assim, ainda me espantam coisas como esta aqui. Como pode isso, meu Deus??? Os toscos do COB negaram credenciais a jornalistas online para a cobertura da Olimpíada!

quarta-feira, 11 de agosto de 2004

segunda-feira, 9 de agosto de 2004

A quem possa interessar

Eu já estou cadastrada no tal do Multiply, mas não estou conseguindo entrar pra cadastrar mais amigos ou aceitar os convites. A primeira impressão não é das melhores. Mas...

Ó vida, ó céus, ó azar

O aparentemente fofo Avant de que falei ali embaixo também deu pau no meu micro... :-(

sábado, 7 de agosto de 2004

Ainda sobre os blogs

Não pode ser ruim uma coisa que te faz entrar em contato com pessoas especiais que estão em outro país e que só não eram tuas amigas por uma questão geográfica e que ainda por cima te aproximam – mesmo que virtualmente – de mais gente bacana espalhada por todos os cantos.



Nesta semana, a Adri Max fez um post citando o meu post sobre os blogs, provocou um boom de audiência neste humilde repositório de idéias desencontradas e me fez conhecer novos blogs interessantes (que logo, logo estarão ali na coluna da esquerda, basta a minha navegação se segurar mais um pouco).

sexta-feira, 6 de agosto de 2004

Surpresa legal

Faz tempo que estou com problemas de navegação no computador de casa. Navego um pouco, e daí não consigo mais entrar em página alguma se não reiniciar o computador. Em seguida, a coisa se repete. Eis que hoje ligo pela enésima vez para a Brasil Telecom e me preparo com todas as pedras na mão para o gerúndico atendimento de praxe. E não é que o moço que me atendeu foi supersimpático, não disse UM verbo no gerúndio e ainda por cima me apresentou este browser superbacana?



O problema da navegação continua, mas o Avant já fez a minha noite nerd mais feliz.

quarta-feira, 4 de agosto de 2004

Take it easy Tiquitita

A Tica anda assustada com a violência no Brasil. Lá de Bruxelas, onde ela nos priva da sua companhia em território tupiniquim, tem falado bastante dos medos que a gente enfrenta todos os dias. E enfrenta mesmo, Tica. E eu adoraria viver num lugar em que pudesse chegar em casa sem olhar para os cantos escuros, onde desse para caminhar em paz, sem ficar agarrada à bolsa o tempo todo.



É triste, mas a gente se acostuma. Nem por isso, dá para se conformar. É preciso acreditar que pode haver solução. Que tem de haver solução. E fazer alguma coisa por isso. Por ora, admito, ando meio atabalhoada demais com os meus problemas pequeno-burgueses do cotidiano pra agir. E talvez esteja justamente aí a raiz do problema todo: aren't we all?



Enquanto nos preocupamos com os nossos lindos umbiguinhos, achamos que basta escrever um post num blog para se sentir fazendo alguma coisa. (Mea culpa também é uma forma de hipocrisia, Cássia, fica me dizendo aquela vozinha crítica que me persegue eternamente.)



Enfim, Tiquitita, take it easy. Como diria o Chico: a gente vai levando.

terça-feira, 3 de agosto de 2004

Aqui se faz...

Que maravilha isso aqui! Agora que é vidraça, o PT quer que as denúncias sejam TODAS averiguadas antes de acusar alguém. Sou obrigada a concordar COMPLETAMENTE com essa posição. Pena que essa lógica não valia quando eram eles atirando as pedras mais do que precipitadas.

Vivo na rede

Logo que entrei no Orkut, "fui adicionada" por um jornalista carioca que tinha a minha idade e era um dos pioneiros do conteúdo na Internet brasileira. Perguntei a alguns amigos sobre ele, pra ver se me lembrava de tê-lo conhecido pessoalmente. Ainda não tenho certeza. Infelizmente, não vou ter como saber. Esse jornalista era o Fervil. Alertado pelo Daniel, cheguei a esta coluna do Paulo Roberto Pires, que verbalizou um questionamento que eu vinha fazendo desde a notícia da passagem do meu "amigo" virtual.

segunda-feira, 2 de agosto de 2004

Fenônimo *

À medida em que gente "de respeito" se rende ao mundo blogueiro, vejo crescer a necessidade de ressaltar "que o meu blog não é como outro qualquer". BALELA. Todos os blogs são iguais, têm o mesmíssimo princípio. O que muda é a pecinha do lado de cá do teclado. O que estou achando cada vez mais bacana nos blogs (que muitos "blogueiros" não gostam de chamar assim por acharem vulgar demais) é justamente o fato que eles são um retrato muito perfeito de quem os escreve. Não tem superego capaz de segurar isso... Logo, eu gosto dos blogs de gente que eu gosto. Simples assim. E sei que tem quem leia blogs às escondidas, por vergonha. Eu também fazia isso ;-)



* Eu SEI que é fenômeno.

sexta-feira, 30 de julho de 2004

Cinema

Aviso de utilidade pública: se o Márcio não topar ir ao cinema comigo neste fim de semana, eu vou sozinha! E não me responsabilizo pelos meus atos...

Tem coisa mais irritante...

... do que gente que se leva a sério o tempo todo?

quinta-feira, 29 de julho de 2004

Meu lado geek

Eu adoro fuçar no computador, embora não entenda patavina da coisa. Não foi à toa que eu já "matei" três HDs desde meu primeiro 286, em 1992. Adoro baixar freewares indicados pelos sites de download. Vivo fazendo bobagem por causa disso também.



Há uns meses levei um xingão do Gajo, editor do Informática do Terra, por não saber usar RSS. Hoje eu aprendi! E o troço é muito legal! Como vivi minha ida online sem isso até hoje??? Pra quem ainda não está nessa, recomeindo.



Ah, o feed do blog é este aqui.

quarta-feira, 28 de julho de 2004

AMIZADES CANINAS

Hoje meu dia começou com um e-mail da Ana pedindo ajuda a um cachorrinho cuja dona morreu e que estava prestes a ser sacrificado pela veterinária-açougueira que achava a eutanásia o melhor fim para ele. Agora, ao abrir meu gmail pela última vez no dia, recebo um recado da Dodô dizendo que o bichinho foi adotado! Coisa boa isso.



Sei que tem aqueles que acham que essa energia devia ter sido gasta ajudando criancinhas. Mas a minha tese sobre isso é de que nem todo mundo que se sensibiliza com criança se senbiliza com bicho, mas todo mundo que se toca por causa de um bicho, evidentemente se toca também por causa de uma criança.



UMA COISA NÃO ANULA A OUTRA, PÔ!

terça-feira, 27 de julho de 2004

DA HUMANIDADE E OS ELEVADORES

Isso está virando neurose, eu sei, mas eu me irrito cada dia mais com quem não sabe andar de elevador. Francamente! Em vez de gastarem horas e mais horas com psicotécnicos caríssimos, os departamentos de recursos humanos das empresas deviam, antes de mais nada, levar todos os candidatos (a qualquer vaga de qualquer setor) para uma volta de elevador. Apertou os dois botões, tentou entrar antes de a pessoa que está lá dentro sair... obrigado e adeus! E se pegar elevador pra subir ou (pior!) descer um único andar: bota na lista de inempregáveis nesta vida.



E isso que acabou a TPM ;-)

segunda-feira, 26 de julho de 2004

ESCOLHAS

Não temos como saber se fizemos as escolhas certas. Pelo menos não na hora em que as fazemos. Depois de tudo decidido, resta a torcida para que o desvio de percurso seja o menor possível.



E agora declaro definitivamente encerrada esta leva de posts enigmáticos e intimistas.

UFA

Por que às vezes é tão difícil somar 1 + 1?

sábado, 24 de julho de 2004

quarta-feira, 21 de julho de 2004

NO MUNDO IDEAL EU...

... trabalho sem deadlines

... durmo todos os dias até acabar o sono

... vejo um filme por dia

... leio um livro por semana

... passeio quatro vezes por dia com os cães

... como e não engordo

... não tenho ressaca de champanhe

... jamais tenho TPM

... consigo ver meus amigos sempre que quero

... sou menos chata com a minha irmã

... incomodo menos a minha mãe

... não brigo nunca com o meu amor

segunda-feira, 19 de julho de 2004

sexta-feira, 16 de julho de 2004

MEMÓRIA DE FORMIGA

Eu nunca lembro direito de nada. A Carol, minha irmã, tem uma memória de elefante. Lembra de coisas inacreditáveis da nossa infância. Ela criou uma comunidade no Orkut que reúne ex-alunos do colégio onde estudamos em Sorocaba. Eis que ali está ressurgindo gente que estava no meu arquivo empoeirado e de quem, com várias exceções, claro, eu preciso me esforçar um pouco pra lembrar. A Carol não, ela lembra de TUDO. Até das músicas que a gente cantava quando ia acampar com a turma!

quinta-feira, 15 de julho de 2004

ASSIM, Ó

Além da TPM e de eu estar começando a ficar farta do Orkut, tô puta porque caiu meu índice de sexy e cool e cresceu o de trustworthy. Hello? Dá pra ser mais generoso, aí? Eu tô carente, lembra?

ARGH

Perdão aos conviventes. Estou com uma TPM insuportavelmente longa (e antes que façam piadinhas, não, não é uma TPM eterna, é longa mesmo...)

 

Pobre do Márcio.

quarta-feira, 14 de julho de 2004

DÁ LICENÇA AÍ, CHEFE

Mas hoje eu cheguei mais cedo e mereço fazer só um postezinho do local de trabalho pra comentar que nosso digníssimo presidente deve estar com a vida muito fácil em Brasília: Presidente inaugura estação de tratamento de esgoto em Campinas.

terça-feira, 13 de julho de 2004

SEM FRESCURA

Eu aprendi a gostar muito dele há mais de oito anos, com o Márcio. Agora ele virou cult e tem programa no Canal Brasil. Assiste, porra!

CARÊNCIA

Eu vivo querendo cuidar de todo mundo. Quem é que cuida de mim?

segunda-feira, 12 de julho de 2004

DESCULPAS FURADAS

Hoje em dia as pessoas não são mais grosseiras, são bipolares, não são mais preguiçosas, são depressivas, não são mais chatas, têm transtorno obsessivo compulsivo. Quem fica se gabando de ter alguma dessas doenças com autodiagnósticos feitos na base do best-seller de terror médico deve é ter um parafuso solto, isso sim. Só quem enfrenta essas situações de verdade sabe o quanto é triste e difícil vencer os sintomas e conviver com a idéia de que, no fim das contas, nunca vai estar totalmente curado.

quinta-feira, 8 de julho de 2004

quarta-feira, 7 de julho de 2004

ELAAAAAAINE!

Alguém aí já (re)viu A Primeira Noite de um Homem depois de ter alguma noção de cinema? Eu vi pela primeira vez quando tinha uns 13 anos. Desde então, volta e meia revejo e SEMPRE me surpreendo. Hoje de novo. Peguei da metade para o fim no Telecine Happy, e fiquei embasbacada com a aula que é esse filme. Isso sem falar que o Dustin Hoffmann está a cara do Márcio quando a gente se conheceu (eu e o Márcio, claro, não eu e o Dustin Hoffmann ;-). Recomeindo.

PODEM ME MATAR

Mas eu achei bobo, bobo o último episódio de Friends...

segunda-feira, 5 de julho de 2004

TIRANDO O SOFÁ DA SALA

Lá no trabalho já faz um tempo que é proibido postar em blogs. Agora também não dá pra entrar no Orkut. Suponho que seja pra evitar que as pessoas exagerem na medida e deixem de trabalhar pra ficar com essas bobagens. Ora, quem não quer trabalhar, pode optar por ficar olhando pro teto o dia inteiro.



Será que vão acabar tirando o teto da redação também?

domingo, 4 de julho de 2004

DIGAM O QUE QUISEREM

O bom de se ter 30 anos é ter tido tempo de perder os preconceitos e as vergonhas adolescentes. Há menos de três horas saí do show d'O Rei Roberto. Posso dizer que mais do que um show, é uma experiência religiosa. A presença de palco e o carisma dele é quase inexplicável. E as músicas estão TODAS no nosso incosciente. Verso a verso. Mesmo que não tenhamos o hábito de ouvir os discos do homem. A última vez que me arrepiei num show foi vendo Chico Buarque. Mas Chico é Deus. Hoje eu vi o Rei. E gostei muito.



P.S.: Comments desagradáveis sobre este post serão sumariamente deletados pela "dona-proprietária" deste blog.

sexta-feira, 2 de julho de 2004

quinta-feira, 1 de julho de 2004

HOUSTON, THERE MUST BE A PROBLEM

Eu já falei aqui de uma decepção que tive no mundo profissional. O que sinto hoje é uma melancolia saudosa, que às vezes parece até criação da minha cabeça. Mas não pode ser coincidência que todo mundo que sai de lá se sinta tão melhor e sinta uma necessidade tão grande de viajar. Eu viajei pra dentro de casa, pra dentro de mim mesma, mas a maioria vai pelo mundo mesmo: Andes, Madri, Nova York e Los Angeles, Toronto, Atlanta, Sidney... Será que isso não é sinal suficiente de que alguma coisa tem de estar muito errada?



PS.: Rafa, acho que tu também devia fazer uma viagem dessas. E tu, Mauro, viaja pra Academia e pra segunda Paternidade. Boa sorte pra vcs! É bom quando a gente se reencontra com a Terra de verdade ;-)

quarta-feira, 30 de junho de 2004

HAHAHAHAHA

A Fernanda, que é uma das minhas amigas virtuais (virtual pelo menos por enquanto), escreveu neste post uma das coisas mais engraçadas que eu li nos últimos tempos... Vale o clique.

terça-feira, 29 de junho de 2004

BLOQUEIO

Ando com bloqueio de fazer coisas diferentes. Sei que é uma fase, que vai passar, mas não consigo deixar de ficar um pouco ansiosa com isso. Estou naquele ponto de fervura em que já deu para baixar o fogo sem perder temperatura. É uma coisa tranqüila e com movimento constante e é confortável. Não estou reclamando nem vejo necessidade para que isso mude. Só queria ter um pouco mais de algumas coisas: mais tempo para usar com as pessoas de quem eu gosto, mais dinheiro para poder trabalhar um pouco menos, mais pique para ler os livros que se empilham na minha cabeceira e ver todos os filmes que eu ainda não vi. Só um registro. Porque esse blog anda mais morno do que a minha rotina :-)

sábado, 26 de junho de 2004

SE DEPENDESSE DE MIM...

... o Marcos tinha fugido com os 100 mil dólares, o Daniel ficava com a namorada do filho e as imagens finais não seriam daquele povo feioso do backstage da novela. No mais, Gilberto Braga RULES! Azar, gostei.

CONSPIRAÇÃO FAVORÁVEL

Um almoço adiado com um velho amigo que eu não via fazia um tempão virou um almoço muito bacana com seis velhos amigos que eu não via fazia um tempão. Belo fecho para uma semana que passou bem chatinha.

quinta-feira, 24 de junho de 2004

TÉDIO

Eis que nada aconteceu de interessante na minha vida nesta semana. Passei indo a médicos que vivia adiando. Descobri que emagreci quase um quilo desde o mês passado, ganhei mais um grau de astigmatismo no olho esquerdo e jurei de novo que vou passar fio dental três vezes por dia (eu faço essa promessa todos os anos depois de fazer a limpeza nos dentes). *Suspiro*.

segunda-feira, 21 de junho de 2004

FUNDO DO FUNDO DO FUNDO

Não postei antes porque não deu. Primeiro porque estava doente. Depois porque não podia (lá no trabalho é proibido, lembra?). Agora eu posso dizer: clica aqui sem medo para ler o melhor texto escrito sobre os 60 anos do nosso gênio maior. E não é favoritismo, não.

DÚVIDA MILENAR

Eu sei que já tem até explicação científica pra isso, mas eu PRECISO fazer essa pergunta, nem que seja retórica: por que homem é tão mais fraco do que mulher pra doença? Hein?

sábado, 19 de junho de 2004

GRIBE

Esde blog esdá barado bor bodibos de força baior. Boltará a ser adualidado quando eu belhorar.

terça-feira, 15 de junho de 2004

COISAS BOAS

Hoje à tarde o meu computador do trabalho caiu, e eu aproveitei para fazer umas ligações pessoais enquanto ele reiniciava. Foi o máximo. Em menos de cinco minutos recebi três boas notícias:



- Minha prima Manuela vai voltar a trabalhar na Varig, de onde nunca queria ter saído e agora vai poder visitar a família aqui em Porto Alegre e na Bahia.



- Uma ex-colega de trabalho (e agora amiga) está com boas perspectivas profissionais depois de um tempo de desesperança total.



- A Lara, grande amiga da minha irmã (e minha também) passou num curso superdisputado de restauração em Salvador. Em primeiro lugar!



Sabe aquelas coisas que deixam o nosso dia mais legal?

12 - 13 - 14 - 31 - 50 - 51

Quem é que em sã consciência apostaria nesses números na Mega Sena? Eu nunca escolho os números quando jogo, mas a partir de agora vou jogar sempre nos mesmos. Quem não arrisca...

domingo, 13 de junho de 2004

BELA TROCA

Vendi a inútil esteira que comprei em São Paulo (eu sei, eu sei, todo mundo me avisou) e transformei a merreca que consegui por ela num maravilhoso almoço de dia dos namorados com creme de legumes, linguado grelhado com risoto de camarão com açafrão e strudel de maçã no Orquestra. Muuuuuuito melhor!

quinta-feira, 10 de junho de 2004

ASSIM EU CHORO

Este testemunho que eu recebi hoje vai me proibir de dizer que o Orkut não serve pra nada. Sabe as cartas e bilhetes recebidos e enviados de e para amigos e namorados de tempos atrás do post anterior? Alguns muitos eram do meu amigão que escreveu o que segue:



Tá legal, eu tava me segurando para poupar a minha querida irmã/amiga "Cá" dessa cena de filme "B". Mas eu não consigo, perdão Cá, lá vai: outro dia, por conta da minha mania de chegar cedo aos lugares, fui ao cinema MUITO antes da sessão e comprei um pocket book pra passar o tempo. O livrinho (ótimo aliás) era Bartlebly, o escriturário. Qual não foi a minha surpresa ao abri-lo e ver ali, de cara, o nome da tradutora? Siiiiiimmm, ela mesma, a minha parceria de vários cinemas! Fiquei tão emocionado (juro) que quando cheguei em casa arranquei do outro livro para este um "marcador" que ganhei dela no meu aniversário em 95 (aposto que nem ela se lembra disso) e que (agora vem o melhor, preparem-se para as lágrimas) está escrito assim: "Amigos são aqueles que mesmo longe um do outro não se separam jamais." Pois é... é piegas, mas É VERDADE! Perdão minha querida amigona, mas é o meu jeito de dizer que eu também te adoro muito.



É ou não é de chorar? Te adoro muito, Giggio!

quarta-feira, 9 de junho de 2004

PAPELADA

Os livros do Márcio estão sempre superorganizados. Classificados por estilo e autor, em ordem alfabética de sobrenome. São aproximadamente 2 mil volumes que ele sabe sempre onde estão. Se empresta algum deles, lembra sempre para quem foi e quando.



Os meus livros estão uma zona. Todos amontoados debaixo da escada, sem qualquer tipo de organização. Parte deles ainda está na minha mãe, outros tantos estão emprestados não sei para quem nem sei desde quando. Sempre digo que não vou emprestar mais livros, mas não adianta.



O Flávio Tavares – a primeira pessoa que entrevistei na vida – lançou um livro maravilhoso, O Dia em que Getúlio Matou Allende, que comecei a ler com avidez nesta semana. Só que antes de começá-lo, eu queria reler o igualmente perfeito Memórias do Esquecimento. E quem diz que eu acho o dito lá em casa?



Enfim...



Revirando meus alfarrábios em busca do livro (que estou convencida de ter emprestado para alguém, falta só lembrar quem), encontrei preciosidades da Cássia que fui há 10, 15, 20 anos. Cartas de e para futuros ex-namorados, amigas e amigos, pedaços de diários começados e logo abandonados. Lendo tudo aquilo, fiquei espantada com a minha coerência. Espantada para o bem e para o mal.



As maluquices de quem fui aos 10 anos estão todas aqui. Modificadas, é verdade, mas ainda são exatamente as mesmas. A pessoa que eu prometia ser foi a pessoa em quem me transformei mesmo tendo "largado para Deus". Mais uma vez, para o bem e para o mal.



Moral da história: eu preciso arrumar melhor os meus livros.

terça-feira, 8 de junho de 2004

sábado, 5 de junho de 2004

PELO MUNDO

Desde 7 de maio, o site teve acessos do Brasil (claro), dos Estados Unidos (imagino que do Daniel enquanto estava lá e da Adriana M.), da Bélgica (da Tica) e da Espanha (da Lídia). Beleza. Todos locais onde conheço essas gentes bacanas. Mas quem explica os cliques da França, de Portugal, da Austrália e da Inglaterra? Manifestem-se, amigos :-)

MINHA NOVA PAIXÃO

Meu lado nerd está ensandecido pelo gmail. É o melhor e-mail online que eu já usei. Aliás, é o melhor e-mail, ponto. Nenhum programa que experimentei (Outlook, Netscape, Eudora) também chega aos pés dele. É sério. Tô gostando tanto que até me presto a fazer essa propaganda de graça...

quinta-feira, 3 de junho de 2004

ALÉM DE BREGA...

Eu nunca, nunca gostei das coisas da Louis Vuitton. E nem era só pelo fato de que é tudo absurdamente caro e fora do meu orçamento. Sempre achei cafona mesmo. Daquelas coisas que parecem falsificadas mesmo quando legítimas (o mesmo valendo pras bolsas Victor Hugo e Chanel). Pois esta nota no Blue Bus me deu ainda mais argumentos contra esse monte de LV LV LV sujando um couro que até poderia ser bonito.

quarta-feira, 2 de junho de 2004

AGORA NÃO DÁ

Coisas por que jornalistas têm de passar. Hoje uma ex-colega teve um diálogo surreal por telefone com alguém da defesa civil de Maceió por causa dos mortos nas chuvas e tentando pegar informações. Do outro lado da linha, o "encarregado" pediu para ela ligar na sexta-feira que então eles teriam informações mais precisas. Naquele momento, justificou o prestativo sujeito, "ele estava embolado em um monte de papelada".



Comentário da Marcela, inspiradora deste post: "agora tu imagina, a chuva e as mortes são hoje, mas liga na sexta, tá?"

INVEJA BRANCA

Eu sempre quis responder assim a muitos e-mails/cartas de internautas/leitores.

MOUSE NÃO É PEDAL

Em noite de semiporre de caipirinha de saquê depois de um dia de proibição de postar no blog durante o expediente (ficar horas no Orkut ainda pode :-), teve amigo filosofando sobre o fato de que já comeu uma avó (quando ela ainda não o era, bem entendido) e outro dizendo que os e-mails que manda demoram a chegar porque ele é maconheiro. Mas nada, nada mesmo, superou a frase da companheira de ofício tradutório: "Tira o mouse do chão! Mouse não é pedal!"



Ah, qualquer hora eu explico. A frase é boa de qualquer maneira, nénão?

terça-feira, 1 de junho de 2004

A FILA ANDA

Entreguei mais um! Desta vez foi uma auto-ajuda maneira que me ensinou muito sobre física quântica e filosofia iogue. E eu ainda ganho pra ler isso! :-)



Amanhã, quer dizer, hoje, tomo um porre de saquê (ou cachaça, ainda não decidi) pra comemorar. Eu mereço. Ainda mais depois de 45 horas trabalhadas em três dias.

sexta-feira, 28 de maio de 2004

SE ME CONTASSEM... 2

Caminhando na rua, a caminho do trabalho, um mendigo passa por mim e diz:



– Tem um trocado aí, gordinha?



?????????!!!!!!!!!!!!????????!!!!!!!!!!!!



Noção de marketing ZERO! Nem que eu tivesse, meu querido. Nem que eu tivesse.



...



Eis que me pego pensando em levar a dieta mais a sério.

CURIOSIDADE INÚTIL

O Nelson Motta e a Ellis Regina trabalham na Agência Brasil. Bom, é UM Nelson Motta e UMA Ellis (assim mesmo) Regina.

quinta-feira, 27 de maio de 2004

SE ME CONTASSEM...

Descendo hoje a Rua da Ladeira na corrida (porque precisava resolver um troço no banco e estava atrasada pro trabalho) passei na frente do Tuim (um pé-sujo das antigas do centro de Porto Alegre) pensando quem é que vai a um boteco daqueles às 11h de uma quinta-feira quando ouvi:



– Sabe quem é que eu vi no AA na semana passada?



JURO que eu quase voltei pra ouvir o resto da conversa, mas eu REALMENTE estava com pressa. Só deu pra ver que, depois de dizer isso, o sujeito entornou um martelinho.

quarta-feira, 26 de maio de 2004

NÃO DEIXA DE SER CURIOSO

Parece que quanto mais ocupada está a minha cabeça maior é a minha capacidade de pensar em bobagem. Por exemplo, além de tudo o que já fiz, estou fazendo e ainda tenho de fazer hoje, não consigo parar de pensar na bolsa nova que preciso (preciso mesmo) comprar e no leiaute do blog que quero trocar. Alguma sugestão?

terça-feira, 25 de maio de 2004

PERSPECTIVAS CANSATIVAS

Tenho um deadline pesado na segunda-feira. Para cumpri-lo, preciso trabalhar pelo menos 13 horas por dia até lá. Dá cansaço só de pensar. Aceito palavras de incentivo.

segunda-feira, 24 de maio de 2004

ERA UMA VEZ

Há mais de oito anos eu tento convencer o digníssimo marido a assistir comigo ao "meu filme mais preferido" neste mundo: Era uma Vez na América do Sergio Leone. (Tem um monte de outros que eu adoro, evidentemente, mas este foi o mais completo que vi até hoje, na minha humble opinião, claro. E entra também naquela categoria de coisas de que aprendi a gostar por causa do meu pai. Logo, tem também uma carga emocional nessa avaliação.) Eis que, com a graça do bom Deus o Mario Sergio Conti fala sobre o dito na coluna dele sobre o festival de Cannes deste ano – outra aula de texto – e parece que o cara (o marido) se convenceu.



Para quem não viu, o filme é a história de um bando de meninos que entra para o mundo do crime na Nova York da Lei Seca. É lindo, lindo, lindo. Tem uma trilha sonora PERFEITA, do Ennio Morricone, e atuações impressionantes do Robert de Niro e do James Woods (believe me). Além da cena antológica da dúvida do moleque entre comer um doce e ver uma bunda. Eu explicaria melhor, mas tô com preguiça. E quem viu o filme sabe do que eu estou falando. Quem não viu que veja.

sexta-feira, 21 de maio de 2004

MADE MY DAY

Tu fica fazendo frases de efeito (...) e depois fica refém delas. Qdo na verdade tu não é preconceituosa nem maldosa. Tu gera uma necessidade de te defender e aí vem um "ataque" numa linguagem que não é a tua. Aí tu te perde.



O amigo que me disse isso entendeu por mim uma coisa que eu não tinha sacado direito sozinha (pelo menos não ao ponto de verbalizar). Pena que ele não pinta por aqui. Mesmo assim, fica registrado o agradecimento público.

quinta-feira, 20 de maio de 2004

COMO PAUTAR UM CORRESPONDENTE INTERNACIONAL

Está na página 40 da Veja de 18 de fevereiro deste ano a seguinte frase do presidente:



– Só eu vou beber? Jornalistas não bebem?



Segundo a revista, Lula disse isso enquanto se servia da primeira das duas doses de uísque que tomou em encontro com jornalistas que cobrem o Planalto.



Moral da história: (re)ler revistas velhas em consultórios médicos podem render alguma coisa. Nem que seja um post de blog num dia de pouca inspiração.

terça-feira, 18 de maio de 2004

AMIGOS VIRTUAIS

Olha que eu estou na Internet desde 1996, quando fiz o meu primeiro hotmail (que existe ainda hoje). Mas foi só depois de começar este blog (a que resisti o quanto pude) que compreendi o real significado da expressão "amigo virtual". Agora dá pra chegar aqui pelos blogs da Daniela, que desde os tempos da faculdade eu conhecia mais como "a irmã do Dudu", do Tião, que é amigo de um monte de amigos meus mas que eu só vi uma vez, na TVE, e da Fernanda e da Adriana, que eu ainda sequer conheço pessoalmente. Isso sem falar na Tica que tá longe e no Caco, que foi meu colega de formatura mas que eu não vejo há eras.



Bacana isso.

segunda-feira, 17 de maio de 2004

DÚVIDAS EXISTENCIAIS

Por que tem mulher que usa perfume doce?

Por que tem mulher que usa perfume doce de manhã?

Por que tem mulher que usa perfume doce de manhã e se senta do meu lado na lotação?

Por que perfume doce me dá dor de cabeça e me deixa tão mal-humorada?

sexta-feira, 14 de maio de 2004

TÔ QUE TÔ

Pra encerrar essa semana cansativa com uma bela pequena alegria, vi que a Adriana, dona do Aqui em D.C., o primeiro blog que eu li e gostei muito, e minha ídala bloguística, botou um link pra cá. (Tá na esquerda, lá em baixo, dá uma olhada... ;-)

ELOGIOS MASTERCARD

Sabem a pobre tradução da qual eu tanto reclamei nos últimos tempos? Pois acabo de receber um e-mail da fofa da minha editora repleto de elogios (e dúvidas e reparos também, claro). Assim eu acabo voltando ao século 19 de novo sem me dar conta...

quinta-feira, 13 de maio de 2004

BAD MOVE

Do blog do Ricardo Noblat:



Uma pálida idéia do tamanho do estrago feito à imagem do Brasil no exterior pelo gesto do presidente Lula de expulsar do país o correspondente do NYT: o site de pesquisa Google News contabilizou somente ontem, quarta-feira, 228 artigos/noticias a respeito do assunto.



Agora, essa busca já dá 253 resultados. Como disse o Cristovam Buarque, segundo a coluna da Tereza Cruvinel:



– Meu Deus! Para mostrar que o presidente não bebe, passaram a idéia de que o governo bebe.



E tem quem defenda a atitude arbitrária do nosso abstêmio presidente... (Será que eu devia estar insinuando coisas aqui?)

quarta-feira, 12 de maio de 2004

EU TE AMO

Ah, se já perdemos a noção da hora

Se juntos já jogamos tudo fora

Me conta agora como hei de partir



Se, ao te conhecer, dei pra sonhar, fiz tantos desvarios

Rompi com o mundo, queimei meus navios

Me diz pra onde é que inda posso ir



Se nós, nas travessuras das noites eternas

Já confundimos tanto as nossas pernas

Diz com que pernas eu devo seguir



Se entornaste a nossa sorte pelo chão

Se na bagunça do teu coração

Meu sangue errou de veia e se perdeu



Como, se na desordem do armário embutido

Teu paletó enlaça o meu vestido

E o meu sapato inda pisa no teu



Como, se nos amamos feito dois pagãos

Meus seios inda estão nas tuas mãos

Me explica com que cara eu vou sair



Não, acho que estás só fazendo de conta

Te dei meus olhos pra tomares conta

Agora conta como hei de partir


Chico Buarque

MERCHANDISING DE GRÁTIS

Vai "pras praia"? Passa antes por aqui. É o site do Ricardo Freire, também conhecido como Xongas. O cara é gênio. Tem o melhor texto leve dos últimos anos e tá tomando o lugar do Verissimo entre os cronistas do cotidiano da minha preferência. Só pra dar uma idéia, são deles o Manifesto antigerundista e desse Dietas da hora. Ah, e ainda do slogan "não é uma Brastemp". I rest my case...

terça-feira, 11 de maio de 2004

ÀS VEZES EU QUERO UM CARRO

Desde que vendi meu carro em junho de 2001, poucas foram as vezes em que desejei tanto voltar à vida de motorista e deixar a de passageira de lado como hoje. Simplesmente fiz cerca de 80% do meu percurso com uma débil mental testando TODOS os toques de seu MALDITO celular e em TODOS os volumes possíveis. Tem noção do que é isso?!?



Como tem gente mala no mundo.

VIGÉSIMA-QUINTA HORA

Que filme bom! Fazia anos que eu não chorava num filme, e ontem à noite quase me lavei em lágrimas na cena do amanhecer no Central Park (não conto aqui pra não estragar pra quem não viu). Além disso, o DVD tem um minidocumentário de 20 minutos sobre a carreira do Spike Lee que vale muito a pena. Só não entendi a tradução do título em português: "A Última Noite". Simplista demais e perfeitamente esquecível...

segunda-feira, 10 de maio de 2004

INACREDITÁVEL

Eu costumava achar que faltava ética jornalística ou sobrava criatividade a alguns repórteres esportivos da Rádio Gaúcha. Agora, tendo ouvido uma entrevista ao vivo e alguns minutos depois a interpretação dessa mesma entrevista por um desses repórteres, cheguei a conclusão que na verdade o problema pode ser outro. Surdez.

PÉSSIMA BOA IDÉIA

Um dos piores tipos de idéia é aquela boa que chega tarde demais para nos vangloriarmos dela. Sabe aquele tipo que se a gente disser alguém vai perguntar "por que tu só pensou nisso agora"? Hoje eu tive uma idéia dessas. Como veio tarde demais, resta-me executá-la e ficar bem quietinha antes que alguém note que ela chegou atrasada...

domingo, 9 de maio de 2004

sexta-feira, 7 de maio de 2004

VALE O CLIQUE

Acabei de achar no Orkut um amigo querido e encontrei no profile dele essa maravilha aqui.

APRENDENDO A DIGITAR

Sabe Deus por que eu lembrei hoje do Natal em que ganhei (de surpresa) a máquina de escrever Olivetti (manual) que eu tanto pedi. Eu tinha 12 anos, e aquela máquina nunca teve uma utilidade prática. Até comecei a escrever alguns "livros" (hahaha), mas dois anos depois eu e a Carol ganhamos um MSX e entramos na era dos computadores. Hoje estava pensando sobre que fim levou aquela Olivetti portátil.



Em tempo: o MSX também nunca teve uma utilidade prática. A não ser o de funcionar como videogame.

quarta-feira, 5 de maio de 2004

QUE TALENTO!

Não sei quanto a vocês, mas eu tenho uma capacidade insuportável para acumular dead lines. ARGH!

terça-feira, 4 de maio de 2004

CRITÉRIO

Pela minha régua simplista e peculiar, não consigo confiar em quem não gosta de pelo menos três das seguintes coisas:

- Animais

- Ar condicionado

- Beatles

- Chico Buarque

- Chocolate

- Crianças

- Dia frio com sol

- Vinícius de Moraes

TPM INSONE

- Não tenho mais energia nem capacidade de concentração para trabalhar, mas estou sem sono. Logo, passei os últimos 20 minutos testando novas fontes para o blog. Acho que ficou bonitinho, pelo menos.

- Passei quase uma hora na loja da Claro do shopping Podre de Belas tentando trocar o meu celular e acabei desistindo por causa da chatice da maioria das pessoas lá dentro. As pessoas compram celulares como se estivessem comprando uma casa. Que exagero, mon dieu!

- Adoro o no.minimo, mas não há cristo que faça o favor de me responder como THE FUCK eu troco o e-mail para receber os boletins ou até mesmo cancelá-los (já que eu vou lá pelo menos uma vez por dia, mesmo). Se alguma alma caridosa souber me dizer, agradecerei imensamente.

segunda-feira, 3 de maio de 2004

domingo, 2 de maio de 2004

quarta-feira, 28 de abril de 2004

CONCEITO MELHORANDO PRA PIOR

Analfabetos digitais são mesmo muito divertidos.

SNIF

Compraram o Corcel vintage que eu estava namorando perto de casa... Em compensação, aquela vagabunda daquela Laura tomou laço de todo mundo ontem! O Gilberto Braga é bom fazendo malvados, mas é melhor ainda fazendo bonzinhos se vingando.



Só que continuo achando aqueles tapinhas muito xexelentos.

terça-feira, 27 de abril de 2004

DISSE TUDO

Pérola na coluna da Rosane de Oliveira na Zero Hora de hoje:



Doença crônica

Alguém precisa dizer ao presidente Lula que metáforas de hospital são uma péssima idéia para animar o eleitorado ansioso com a falta de boas notícias.



Esta, por exemplo, dita ontem na visita à fábrica da Mercedes-Benz, é de arrepiar:



- Quando eu tomei posse, a impressão que eu tinha era a de que o Brasil estava numa UTI. Hoje eu posso dizer para vocês que o país que estava na UTI já está andando pelos corredores do hospital.



Convenhamos que depois de um ano e tanto de hospitalização, o doente caminhar pelos corredores não é lá um grande progresso.


COISA SEM GRAÇA

Ah, mas se eu fosse a Maria Clara eu tinha era enchido a Laura de soco na cara e não daqueles tapinhas xexelentos...

domingo, 25 de abril de 2004

SEGUINDO A CORRENTE

Depois de ver isso em quatro blogs diferentes, resolvi entrar na brincadeira.



1. Pegue o livro mais próximo de você;

2. Abra o livro na página 23;

3. Ache a quinta frase;

4. Poste o texto em seu blog junto com estas instruções.




A minha sai do livro fantástico que eu acabei de ler ontem à noite:



"Não há mal algum nisso, claro, se você não se incomoda em ser alugado, conforme os interesses dos outros." (Um cão uivando para a Lua, Antônio Torres, Editora Record)

sábado, 24 de abril de 2004

TE METE

Estou emocionada. Já estou usando mesóclise como quem escova os dentes:



Para o pessoal, o ato do gajeiro de proa, ainda que explicado durante o anúncio, não deixará de ser um simples homicídio cometido num gesto de flagrante rebeldia. A pena que deve se seguir a isso, todos sabem. Mas ela não é aplicada. Por quê?, perguntar-se-ão.

COBIÇA VINTAGE

Venderam o fusca sessenta e alguma coisa amarelo e com pneu de banda branca que eu estava namorando numa loja de carros "semi-novos" aqui perto de casa. Agora tem ali um lindo Corcel setenta e poucos vermelho e preto. 'Cês não tão entendendo. Não é carro velho. É carro "vintage".

quinta-feira, 22 de abril de 2004

NOVO BRINQUEDO

Agora eu tenho um novo e-mail. Se funcionar, vai acabar virando o único...





GENTE COISA É OUTRA FINA

Um colega de trabalho acabou de receber um e-mail inacreditável...



Caro XXXXXXX,

Desculpe-me, mas infelizmente acabo de saber pela Luiza Pilau que o convite do Aniversário dela foi enviado por engano para você. Por favor, desconsidere-o.

Marco Fogliatto

Comunicação/Marketing

Luiza Pilau Projeto &

Gestão de Eventos

Marquês do Pombal 369

Tel: 51. 3269 0209

Cel: 51. 8112 8192

-----Mensagem original-----

De: Marco Fogliatto [mailto:marco.fogliatto@luizapilau.com.br]

Enviada em: terça-feira, 20 de abril de 2004 14:23

Para: XXXXXXXXXXXXXXX

Assunto: Convite de Aniversário de Luiza Pilau

Prioridade: Alta



Em anexo o seu Convite de Aniversário de Luiza Pilau:

Dia 23.04.04 (sexta-feira)

Horário: 21 horas

Local: Mostra Casa&Cia POA – Cel. Marcos, 1109 – POA

Marco Fogliatto

Comunicação/Marketing

Luiza Pilau Projeto &

Gestão de Eventos

Marquês do Pombal 369

Tel: 51. 3269 0209

Cel: 51. 8112 8192



... vai aqui com nome, sobrenome e telefones de contato pra aprender a ser bem educado.

quarta-feira, 21 de abril de 2004

PESQUISA DE OPINIÃO

Se vocês fossem eu, o que prefeririam traduzir:



1) Um clássico difícil e que paga mal

2) Uma auto-ajuda fácil e que paga bem



Eu tô fazendo os dois no momento, mas ando pensando seriamente em me especializar antes de enlouquecer...

terça-feira, 20 de abril de 2004

QUE DROGA!

Como é estranho OUVIR um cara tão bacana e querido com quem eu convivi tanto nos tempos de faculdade se F_DER tão feio.

BRONCAS DE ELEVADOR

- A plaquinha mandando verificar se "o mesmo" encontra-se no andar

- Gente que aperta o botão para baixo quando quer subir e vice-versa

- Gente que aperta o botão váááárias vezes quando está com pressa, como se isso fosse fazer alguma diferença

- Gente que pega elevador para descer UM andar (piora consideravelmente quando "o mesmo" está carregando uma malinha de acadimia)

O RIO NÃO MERECE

A capital enfrentando o que está enfrentando, e o site oficial do governo dá uma nota super-relevante informando que a excelentíssima governadora "será madrinha de navio de apoio offshore". Como disse ali em baixo, eu morro e não vejo tudo...

DOR MILENAR

Foto gentilmente chupada do Blue BusOlhem pra cara desse sujeitinho aí do lado e me digam se dá pra imaginá-lo no meio dos bombardeios sem sentir um aperto no peito. Ele foi resgatado do meio da guerra por um marine americano e agora está em Nova York. Não, eu não estou dizendo que não penso nas crianças assustadas e em todos os inocentes civis que também sofrem com a guerra nojenta do Bush, mas olhem a cara deste cãozinho e me digam, não dá um aperto no coração?

segunda-feira, 19 de abril de 2004

ROCK ESTRELA

Coisa maluca essa Internet. Quando eu era guria, adorava o Leo Jaime (Jâime para os gaúchos e Jáime para todo o Brasil), principalmente dele como ator - em Bebê a Bordo, estava hilário. Agora o cara está entre os meus "amigos" do orkut. Uma das coisas que seguem me impressionando é que a Monique Evans diz que ele foi o primeiro cara com quem ela gozou (makes u wonder).

VIVA O REI

Duas coisas que ouvi no rádio a caminho do trabalho:

1) Roberto Carlos faz hoje 63 anos

2) Fizeram uma versão "drumba" de Influência do Jazz do Carlinhos Lyra. E eu pergunto: PRA QUÊ? Aliás, qual é o problema dos programadores da Itapema com os originais das músicas consagradas? Parece rádio de cover.

sábado, 17 de abril de 2004

EU ENTENDI DIREITO?

No Jornal Nacional de hoje, o presidente da Funai apareceu dizendo que sentia muito pelos garimpeiros mortos na Amazônia por índios da reserva onde eles estava, MAS a sociedade precisa compreender que os índios estavam defendendo suas terras. Isso quer dizer, então, que os fazendeiros que matam sem-terra que invadem suas propriedades também precisam ser compreendidos pela sociedade? Eu morro e não vejo tudo...

sexta-feira, 16 de abril de 2004

...

Eu tô atolada em coisas pra fazer, depois de duas reuniões no mesmo dia, e com uma vontade louca de escrever uma coisa interessante e bem humorada pelaqui pra dar um toque alegre a este espaço que parece tão borocoxô. Só que a incapacidade que estou de me concentrar no trabalho tá passando pras outras partes do meu dia, e não consegui sequer combinar a happy hour de hoje. E já são quase quatro horas!

quinta-feira, 15 de abril de 2004

QUANDO EU CRESCER...

Quero escrever sobre política como o Ricardo Setti. A elegância do texto e a correção com que ele trata a política nacional são absolutamente compatíveis e proporcionais à figura dele. Lembro que da primeira vez que o vi entrar na redação, em São Paulo, tive de controlar aquela cara pateta de quem encontra um ídolo para me apresentar a ele profissionalmente. Quem eu era: uma guria de 28 anos alçada à posição de editora pelo simples fato de ter escolhido o caminho cheio de atalhos hierárquicos da Internet. E ele ignorou esse fato - do qual certamente tinha absoluto conhecimento - e por mais de uma vez me tratou como se realmente a minha opinião importasse. O processo eleitoral de 2002 estava rolando, e ele, ao contrário do poeta, não se importou de sair perdendo e por várias vezes "trocou umas idéias" comigo.



Não sei se naquelas ocasiões eu cheguei a dizer alguma coisa que ele tenha aproveitado, mas a convivência me fez ver que talvez eu estivesse marcando passo num lugar em que a minha posição hierárquica estava tão dissonante com a minha experiência. Um banho de humildade sempre faz bem. E a convivência com pessoas melhores do que nós costuma ser perfeita para isso. Por isso que nunca vou deixar de ver a Rosane de Oliveira como a minha eterna guia rumo ao texto à Setti.

ISSO É QUE É CONSIDERAÇÃO

Tentei entrar no orkut, e olha o que apareceu:



"Bad, bad server. No donut for you. Unfortunately, the orkut.com has acted out in an unexpected way. Hopefully, it will return to its helpful self if you try again in a few minutes. It's likely that the server will behave this way on occasion during the coming months. We apologize for the inconvenience and for our server's lack of consideration for others. "

FOR THE RECORD

Falando de música, embora esta seja a praia do marido, tem uma coisa que eu preciso expor aqui (não que tenha alguma importância): eu tenho P-A-V-O-R de cantoras de voz grossa (Cássia Eller, Zélia Duncan e Ana Carolina), de voz engasgada (Luciana Mello) e gritonas (Daniela Mercury e Ivete Sangalo). Pronto, falei!

quarta-feira, 14 de abril de 2004

MEU, MEU, MEU

Eu quero! O problema é que o meu modelo preferido (o Aranha IV, eita nominho) não existe no meu tamanho. O número 37/38 fica pequeno, e o 39 (quando existe), enoooorme... Meno male, pelo menos não gasto com "bobáge".

DICA

A nova barra do Google para o Explorer tá muito legal. Recomeindo.